Domingo, 30 de Abril de 2017 |

Carta do leitor

RESPONSABILIDADE SOCIAL – IV

Por Redação em 25 de Setembro de 2015


Eis uma complementação social, devidamente inserida no lugar mais recomendado.
1 – FINANÇAS: A. Estadual: embora os diversos indicativos sobre onde se encontra esse montão de dinheiro que o o Governo Gaúcho não arrecada, insiste-se: já que ninguém vê, nem enxerga, mau grado a olhada dos três “poderes”, identificados por, principalmente, seus titulares e, de maneira, centrada, no da Secretaria de Fazenda, é socialmente recomendável seu retorno ao cargo para qual foi eleito Deputado. É uma ótima oportunidade para justificar os votos que recebeu. Que tenha um bom desempenho no Legislativo.
Que o novo Secretário, não só relacione os devedores, como proceda imediatamente a cobrança. Não descuidar da sonegação, intrinsicamente instalada, em toda parte! E haja roubo! – Nada de aumento de imposto!
B – Federal: a – Em primeiro lugar, ao Sr. Ministro da Fazenda, Joaquim Levy, nossos cumprimentos pelo inicio do ano novo em Israel.
b – Sr. Levy: não esquecer que o “livrinho” (Constituição Federal do Brasil) não permite cobrar imposto, durante o ano fiscal (não previsto no orçamento), o mesmo sendo interposto a aumentos salariais.
c – Sr. Ministro: procure verificar porque o congresso Nacional, desconectado da nossa realidade fiscal e da saúde, pretende isentar de impostos aos remédios, à venda. Não é incoerente?... Faltam recursos para o Governo e querem suprir impostos. . . Se for o caso, não é mais lógico, no bestunto de qualquer vivente, principalmente os mais pobres, suprimir impostos dos alimentos básicos?!... Mas bem alimentados, não precisarão de remédios.
d – Por ora, a última demanda: Sr. Ministro, por gentileza, exponha a toda Nação Brasileira, o resultado da seguinte continha: ”Qual o período(tempo) que um poupador Brasileiro deve deixar R$100,00(cem reais) na poupança, para obter o rendimento do cartão de crédito. Para facilitar o cálculo: a poupança (determinação do Governo Federal) paga 0,5 ao mês, chegando a 6% ao ano (0,5x12); o cartão de crédito cobra 14% ao mês (2,800% superior á poupança), atingindo (o calculo é um paradoxo) 396%!...O resultado deve ser publicado em todo os jornais, rádios e televisões do Brasil.

e – Cartão de crédito: quanto paga do imposto? Quem são seus donos, com os respectivos endereços? Onde são disponíveis ou publicados, seus balanços?...
2 – AMBIENTE: até quando o Governo permitira a produção desses destruidores de nosso ambiente, ocasionando tantas doenças?...Para que tanto veículo?!...
NOLITE FIERI SICUT EQUUS, MULUSQUE...(Não queirais tornar-se igual ao cavalo e ao burro...)
Alvorada, 15 de setembro/15-12:2’
PS: Todo o PIB do Mundo não paga a deterioração ambiental!

COMENTÁRIOS ()