Sexta-Feira, 07 de Agosto de 2020 |

Editorial

A importância da leitura

Por Redação em 05 de Abril de 2019


Sabe-se desde sempre que a leitura é importante em todos os estágios da vida de um ser humano. No início ela serve para auxiliar no processo de alfabetização – muitas vezes com gibis. Quando mais velho é útil para manter o cérebro e funcionamento e prevenir doenças que atingem a terceira idade. Todos que leem se beneficiam desta prática que é muito incentivada por todos.

Entretanto, por mais que exista esse incentivo, muitas vezes ele não é escutado. Frequentemente são divulgadas pesquisas que mostram como o brasileiro lê pouco. Essa é uma lástima que precisa ser trabalhada para que os números subam. Mas como fazer isso em um país que sofre com a crise econômica e não tem condições financeiras de financiar essa prática.

É neste lugar que entram as bibliotecas – principalmente nas escolas. São elas que ofertam aos jovens um espaço de leitura. Isso tanto na prática intrínseca da palavra como também em outras atividades mais lúdicas. Horas do conto e peças de teatro levam o livro para um patamar mais lírico e transformam a literatura em algo mágico, envolvente e prazeroso.

Porém como se seguirá com estas práticas sem as bibliotecas? Como trabalhar o incentivo à leitura de forma democrática se os locais que deveriam ofertar isso estão sendo fechados? No Rio Grande do Sul, cerca de 2.500 escolas estão sem bibliotecários e de portas fechadas. Somente em Alvorada são 17 instituições de ensino que não estão com suas bibliotecas em funcionamento.

Além disso, no âmbito municipal, apenas uma bibliotecária está trabalhando – existe uma lei que obriga todas as escolas terem esses profissionais até o ano que vem. Isso não será cumprido e Alvorada não terá condições de atender a toda essa demanda. Sem falar que a estrutura física da atual biblioteca não coloca todo o acervo a disposição da comunidade, prejudicando os serviços prestados.

Falta investimento em literatura assim como em outras áreas da educação. Falta que se olhe para o presente pensando no futuro. Falta atenção do poder público – em todas as esferas – para com a educação e as crianças. Juntas elas vão ditar o futuro do país. Entretanto, não se sabe até onde educar e abrir a mente dos nossos jovens é a opção mais segura para os governantes. Uma lástima para o futuro escrita nos dias atuais.

COMENTÁRIOS ()