Segunda-Feira, 24 de Abril de 2017 |

Editorial

A paradoxal Feira do Livro

Por Redação em 16 de Outubro de 2015


Desde a quarta-feira, 14/10, centenas de alunos de diversas escolas estaduais, municipais ou particulares, tem a possibilidade de conhecer novas histórias e viajar pelo mundo da literatura por meio da 15ª Feira do Livro da cidade.
E esta oportunidade descrita acima pode ser aproveitada por outros moradores não somente alunos. Basta que qualquer cidadão queira estar na Praça Central João Goulart e desfrutar do evento. Além da possibilidade da compra dos livros por meio do vale–livro que está sendo distribuído aos alunos, há também oficinas e diversas apresentações artísticas para todas as idades.
Após os descritos acima, não podemos negar que a Feira do Livro é um dos eventos mais importantes do ano tanto na parte cultural quanto na educacional de crianças, jovens e adultos. Porém mesmo com a realização da Feira, a educação no município está deixando muito a desejar e faz tempo.
Não são poucas as escolas que possuem problemas na parte estrutural com paredes rachadas, vidros quebrados, portas com problemas, pisos desnivelados, falta de materiais, goteiras, infiltrações. A recém distribuição de uniformes deixa muito a desejar e os almoxarifados das escolas que o digam. E de igual forma, dezenas de computadores foram entregues nas escolas municipais e nem sequer sinal adequado mínimo da internet existe.
Por outro lado, temos que exaltar o trabalho de professores que mesmo recebendo um salário ínfimo, continuam ensinando milhares de alunos os primeiros passos para um futuro de sucesso.
Em comparação ao stress diário e todos os percalços que o ensinar compreende, o salário de professores é muito menor quando comparamos com um juiz, político ou engenheiro, que também sofrem com problemas como os descritos acima.
Todos sabem que antes de qualquer pessoa se tornar um profissional de sucesso, quando criança teve algum professor para ensiná-lo. Se não tivéssemos professores capacitados e realizando belos trabalhos por aí, o Brasil ou o mundo não seria nada.
E infelizmente a falta de investimentos na Educação não acontece somente em Alvorada, ele se estende pelo Estado e também pelo Brasil. Em Alvorada ainda que no ano de 2015, a utilização de carros elétricos é real e a tecnologia está na palma de nossas mãos, alunos ainda passam por diversos problemas até chegar à escola.
Enfim, este tema que é o mais importante na vida de uma criança que está começando seus estudos não está tendo o devido valor desde o seu princípio. Está mais do que na hora de nossos governantes olhar a educação com mais apreço se quiserem que haja crescimento da nação.

COMENTÁRIOS ()