Quarta-Feira, 29 de Março de 2017 |

Editorial

A rapidez da informação que gera boatos

Por Redação em 12 de Agosto de 2015


Quem trabalha com a informação sabe o quanto ela é valiosa. Sabe que ela deve ser concisa, verdadeira e sustentar suas palavras. É por isso que para ser jornalista não basta apenas “gostar de escrever”, é necessário, no mínimo, quatro anos dentro de uma sala de aula, aprendendo sobre regras de escrita, fotografia, teorias e o principal de tudo, ética.
Vivemos em um mundo onde a forma de transmitir informação é muito atual. Não existe mais tempo, tudo o que acontecer neste instante estará estampado em um site de notícias em minutos. Ler jornal impresso é para poucos, para os entusiastas da antiga forma de adquirir conhecimento diário. No entanto, o que se lê no palpável, quase sempre já se leu no on-line um dia antes.
Hoje em dia tudo é muito rápido e todo mundo quer dar a notícia antes. A disputa entre quem deu o “furo de reportagem” é acirrada, mas isso causa alguns erros graves.
Aprendemos na faculdade que apurar uma notícia é fundamental para que ela tenha todos os critérios de noticiabilidade. Isso é de suma importância para fazer um jornalismo sério e de qualidade.
Os boatos são os maiores inimigos dos jornalistas afobados, que querem dar a notícia antes de qualquer outro colega. E quando o fazem, sem a devida apuração dos fatos, podem passar para o leitor uma notícia errônea, além de sem qualidade.
Quando um jornalista comete este erro, de transmitir algo que não é verdadeiro, ele influencia ativamente na vida do leitor e de quem possa ter sido retratado na matéria. Pode atingir as pessoas tanto para o bem como para o mal, mas sempre de forma errada.
Muitas vezes esperar e noticiar depois, nos garante uma estabilidade maior com relação ao nosso trabalho. Ter certeza do que se põe no papel e se entrega para o leitor é sinal de credibilidade. Não é sinal de despreparo ou atraso profissional, muito pelo contrário.
Novos boatos surgem todos os dias. Pelo e-mail, redes sociais e por telefone. Qual a intenção deles? Não sabemos, mas notamos que eles se propagam e causam alvoroços enormes, com isso cabe a nós apura-los e passar a informação mais completa possível.

COMENTÁRIOS ()