Quarta-Feira, 23 de Agosto de 2017 |

Editorial

Alvorada em festa?

Por Redação em 04 de Agosto de 2017


Após vários anos, a cidade de Alvorada terá um alvoroço de shows de músicas de diversos estilos na praça central. São dez dias que o município irá respirar um pouco o que tem de bom na música nacional e local. Inúmeras bandas alvoradenses e bandas marciais abrilhantarão o evento, dando assim uma maior visualização e valorização dos talentos locais à comunidade e região. Estaremos no centro das atenções da região metropolitana e grande público de todos os recantos virão para ver os seus artistas prediletos.

E este espaço nobre é único na cidade. As administrações que passaram não se preocuparam em deixar espaços maiores para a comunidade, com mais praças, verdes, locais onde as famílias podem se reunir e descansar tranquilos. Restou a praça central e para dar espaço a grandes shows, como este, parcela da população ficará à deriva, entre eles os adeptos aos esportes um pouco radicais, os skatistas que ficarão sem o seu local de lazer e não sabem se o receberão de volta como estava. De igual forma os banheiros públicos. Faltou por parte do executivo municipal um maior apreço a quem efetivamente é da cidade. Que sirva de lição para que outros locais sejam efetivamente valorizados e destacados para a comunidade.

A Lagoa do Cocão que poderia ser uma “válvula de escape”, apesar dos grandes esforços de revitalizá-la no início da administração e que teve um fundamental auxílio da iniciativa privada, ficou no meio do caminho. Inúmeros locais pontuais ficaram ainda para serem limpos e outros tantos voltaram a acumular sujeira.

Aliás, seria bom, os artistas visitantes fazerem um turismo além da faixa principal que está limpa e faixas laterais pintadas. Adentrar de dia ou a noite algumas ruas próximas ao centro dariam uma ampla visão de como a sua comunidade clama para que as melhorias cheguem a seu local de descanso.

Após décadas de incessante trabalho à comunidade alvoradense, descansou na paz do Senhor o pastor Ari Pfluck. Vindo do interior do estado, aceitou o desafio de morar na cidade e labutar dia e noite por ela. Na sua curta trajetória entre nós, com a aprovação da entidade mantenedora, fundou a primeira escola e faculdade particular, se tornando um expoente na educação.

Presença constante entre as instituições (Consepro, Lions, Acial, Rotary, Comdica), nunca se esqueceu da sua origem humilde e sempre repetia: nenhum tijolo lhe pertencia. Deixou um legado de trabalho na iniciativa privada para futuras gerações e enquanto o deixaram trabalhar, mostrou a sua dedicação e amor pela igreja. Descanse em paz pastor Ari Pfluck.

COMENTÁRIOS ()