Sexta-Feira, 24 de Novembro de 2017 |

Editorial

Aprendendo a ver

Por Redação em 15 de Março de 2013


Uma forma diferente de enxergar a vida. Foi o que aprendemos essa semana com a nossa principal entrevistada, a menina Andressa de 12 anos, que nasceu deficiente visual, mas não permitiu que a falta de visão limitasse sua vida. Hoje ela é estudante da escola Salgado Filho, frequentando a sala de aula com outros alunos de sua idade e sem deficiências. Além disso estrela um filme em que encarna a filha cega do protagonista.
Com a ajuda da família e assistência qualificada, ela diz que busca sua independência física, financeira e emocional. E, pelo “andar da carruagem”, muito em breve ela alcança mais esses objetivos. Porque o de ser atriz já está acontecendo e o de ser escritora está batalhando para conquistar.
A partir daí podemos concluir que, quando assumimos nossas fraquezas e limites, nossas qualidades e virtudes, fica mais fácil ser quem somos, fica mais fácil viver e ser feliz, fica mais fácil viver! Ao contrário, quando queremos mostrar o que não somos, ou quando nos acomodados com o que pensam que somos, tudo se torna praticamente impossível.
Caminhar na estrada da verdade e, principalmente, assumir a nossa verdade e buscar crescer a partir dela, é fonte de cura, libertação, transformação, crescimento e maturidade.
Pode parecer inquietante saber que “o homem vale aquilo que é diante de Deus e nada mais”, como dizia São Francisco de Assis, mas é seguramente reconfortante saber que damos o nosso melhor.
Independente da idade que temos, nossa profissão ou crença, devemos estar sempre prontos a aprender a crescer. E essa semana fomos aprendizes de uma menina.
E por isso, podemos dizer que valeu a pena cada amanhecer, cada conversa trocada, cada palavra digitada, porque sabemos que muito mais ainda está por vir para nós e para os que nos lêem semanalmente nosso Jornal A SEMANA.

COMENTÁRIOS ()