Quarta-Feira, 05 de Agosto de 2020 |

Editorial

Cadê o alinhamento das chamas?

Por Redação em 17 de Agosto de 2018


Todos sabem da importância que tem um governo municipal alinhado com o Estado e União. Essa foi uma bandeira utilizada pelo ex-prefeito professor Serginho para se eleger e, por mais que não fossem tão abordados por Appolo, muitos achavam que as relações entre Prefeitura e Piratini seriam mais próximas e benéficas para a cidade.

E, como um símbolo desde desastre, a Avenida Piratini causa dor de cabeça para Prefeitura, Estado e os moradores do local. As obras foram anunciadas por Tarso Genro (PT) e, até hoje, nunca foram concluídas. Atualmente as obras estão paradas e a comunidade, cansada de esperar, está indo atrás dos seus direitos e deve notificar o Ministério Público nos próximos dias para que uma solução seja encontrada.

A via está com um dos sentidos pavimentados e o outro em estrada de chão. Isso impossibilita o acesso local, enfraquece o comércio e causa. Isso sem falar dos dias de chuva, onde o local fica intransitável para todas as pessoas e meios de locomoção.

Ao mesmo tempo em que isso acontece, a Prefeitura também entra com um processo contra a empresa responsável pela obra. Segundo a SMOV, a empreiteira estava com todos os repasses em dia e deixou que o contrato terminasse.

Isso mostra uma desorganização de todos os lados: Prefeitura, Estado e empreiteira. Nenhum deles conseguiu solucionar o problema e quem sai prejudicado nesta história são os trabalhadores que ali residem ou tiram seu sustento. Eram 19 vias beneficiadas e hoje é possível dizer que três ou quatro foram realmente pavimentadas.

E pensar que muitos acreditaram que o alinhamento das chamas poderia ser um dos segredos para uma boa gestão, mas parece que o lado de José Ivo Sartori não cooperou muito para que isso desse certo. Corre o risco de o mandato do gringo acabar e Alvorada não ver as obras de pavimentação das 19 ruas sendo concluídas

O futuro delas ninguém sabe, assim como o das eleições deste ano. Em entrevista com três dos candidatos foi afirmado que as obras seriam honradas caso sejam eleitos. Contudo a população está cansada de esperar e ouvir promessas que não são correspondidas.

Isso sem falar na RS 118 que ficou com as obras de duplicação até o último acesso a Gravataí. Para as bandas de Alvorada e Viamão, talvez esperamos mais uns 20 anos, podendo fechar meio século de espera pela sua duplicação. E haja fogo de paciência de espera por obras tão fundamentais para alavancar o progresso e auto estima da comunidade.

COMENTÁRIOS ()