Quarta-Feira, 20 de Setembro de 2017 |

Editorial

E o ano novo continua ...

Por Redação em 20 de Fevereiro de 2015


Quem investe ou acredita em adágio popular, agora mais do que nunca tem motivos para comemorar. O carnaval passou e o ano literalmente começou. Notícias alvissareiras com os campeões das escolas de samba e lástimas para as escolas que desceram de hierarquia, pois apesar dos renomados esforços, os juízes foram implacáveis com os seus vereditos.
Sim. Vereditos que estão aí e apesar de muitos serem céticos, o resultado está posto. E no “começo” deste ano e final de festejos, voltamos a nossa realidade. A nossa dura realidade. Novos índices referente as mortalidades no estado foram divulgados no decorrer da semana. E voltamos novamente ao topo deste lastimável placar de onde orgulhosamente saímos. Estamos registrando índices de um país que está em guerra, índices inaceitáveis em um país que se diz estar em paz com o seu povo.
E o atual governo municipal tem sim a sua grande responsabilidade ao alcançar mais este índice. Várias frentes políticas foram tomadas, mas somente ficaram no campo da política. E o adágio do “alinhamento das estrelas” ficou somente no papel. Realmente a quem deveria chegar, pouco ou quase nada chegou. A comunidade espera urgente a posição governamental de minimizar estes tristes impactos. Com grande alarde foi implantado o “Território da Paz”, pomposo nome, porém com resultados muito aquém do esperado, pois o bairro que o recebeu continua esperando por ações concretas. A Praça da Juventude de igual forma continua incólume no papel que tudo aceita.
E as câmeras de vídeo monitoramento instalados nos diversos bairros da cidade, pontos estratégicos de entrada e saída da cidade, junto ao comércio, como está o seu funcionamento? Literalmente como é de conhecimento de todos: desligados em sua totalidade a quase dois anos. E certamente pela inércia dos nossos governantes continuarão assim por mais alguns longos meses. Com grande pompa a sala de monitoramento foi instalado junto ao 24º BPM com direito a descerramento de placa e hoje, depois de alguns meses, o desperdício do dinheiro público está aí, a alguns passos do Ministério Público, do Fórum, Delegacia de Polícia, Prefeitura Municipal e Câmara Municipal.
Batemos negativamente mais um quadro estatístico de 2014. 260 homicídios consumados, o mais alto de todo o estado, num índice lastimável de 76,5 homicídios por 1.000 habitantes. E muito aquém do 2º colocado que é a cidade de São Leopoldo, com taxa de 50 homicídios por 1.000 habitantes. E pelo andar da carruagem, devemos aumentar ainda mais os nossos cuidados, pois novos calmos horizontes estão por longe de vir.
Com regimento aprovado do Conselho da Cidade, o poder constituído tem mais uma ferramenta para trabalhar e juntar esforços para com muito trabalho e suor apresentar resultados concretos e que passam longe do que hoje tem nos apresentado. O afinar de posições para o desenvolvimento econômico e social do município, que tem um perfil de participação e construção coletiva passa sem sombra de dúvidas pela melhora sensível dos índices que hoje nos estão sendo apresentados. E que este Conselho da Cidade faça valer a sua posição, não sendo mais um mero coadjuvante e que assessore e cobre do governo a concretização de políticas públicas para a melhoria da nossa sociedade.

COMENTÁRIOS ()