Sábado, 25 de Março de 2017 |

Editorial

O avião que cai e os deputados morcegos

Por Redação em 02 de Dezembro de 2016


O nosso país está levando muitos sustos no decorrer do ano. Ano atípico como há muitos anos não se via, tendo a sua economia corroída, reflexo dos anos anteriores que não tiveram gestão para a continuidade dos trabalhos. E também devido a isso, a queda da então presidente Dilma, sendo um dos momentos ícones perpetuados de quem estava no poder. Antes e atualmente, os cacifes do partido se encontram atrás das grades, restando igualmente grandes espaços para partidários de outras siglas.

E de sustos em sustos estamos vivendo os nossos dias. Dois acontecimentos ditaram o decorrer da semana, um na Colômbia com a morte de pessoas ligadas ao time da Chapecoense e outro na Câmara Federal. O acontecimento do povo “catarina” assustou ainda mais, não somente o povo brasileiro, mas o mundo todo. O trágico acidente aéreo e que terminou nas montanhas da Colômbia, mostrou a tão frágil aviação, ainda mais sob o comando de incautos, o que está sendo devidamente apurado. A morte trágica de dezenas de passageiros e componentes da equipe da Chapecoense mostrou novamente a nós, meros mortais, o quanto a solidariedade faz presente nestes momentos. Desde a pequena criança que mostrou o caminho onde a aeronave caiu até o mais longínquo cidadão, souberam de que algo errado havia ocorrido. Nos quatro cantos do mundo, a palavra solidariedade se fez presente nos corações tristes dos que ficaram. Parentes, amigos, torcedores de todos os recantos, todos juntos, se abraçavam como se fossem irmãos, da mesma família. O mundo se fez pequeno e solidário nesta semana.

Já na madrugada do mesmo dia, no campo político, como morcegos que somente trabalham à noite, quando o povo brasileiro está descansando, o Congresso Nacional, numa madrugada tensa, o clamor da população brasileira foi literalmente ignorado, querendo a grande maioria dos congressistas, varrer para debaixo do tapete o seu passado espúrio. E para dar um basta, querendo ao mesmo tempo não dar voz às multidões que foram as ruas pedindo o mínimo e de igual forma tentando tirar na calada da noite o trabalho intocável dos que estão à frente da Operação Lava Jato. Juízes, Promotores, Ministros, Membros do Ministério Público, povo brasileiro estavam estupefatos no amanhecer de quarta-feira, 30/11. Todo um trabalho quase perdido, se não fosse ser barrado adiante, no Senado Federal.

E a equipe do Jornal A SEMANA, se sente presente na dor e sofrimento de todos, e não poderíamos deixar de marcar na capa desta edição, o apreço, o carinho, o amor a este povo que hoje chora. Mas também lembrar, de que nesta mesma semana, entramos num dos períodos mais belos da cristandade: o mês do nascimento do nosso, do vosso menino Jesus.

COMENTÁRIOS ()