Quarta-Feira, 30 de Novembro de 2022 |

Editorial

O tempo urge

Por Redação em 20 de Maio de 2022


Um ano de tomada de fortes decisões com o nosso futuro. Em frente a situação do pedagiamento ou não da ERS-118, uma das portas de entrada e saída do município e de acesso fácil aos municípios que nos permeiam além de saída para o interior ou litoral. Junto e próximas a rodovia estadual, centenas de empresas que estão ali instaladas a longa data exatamente pelo potencial logístico que a região oferece.

A princípio é somente mais um pedágio de tantos outros já implantados nos rincões deste estado. E todos eles, sem exceção, para “qualificar” as rodovias – tantos estaduais como federais. E que o histórico contradiz em claras letras pois em inúmeros casos não alcançaram os objetivos inicialmente propostos deixando os usuários a mercê ao longo das rodovias.

E estamos na região metropolitana, perímetro urbano de diversas cidades e as cidades Alvorada e Viamão serão as mais penalizadas. No caso de Alvorada será ainda pior, pois o nosso Distrito Industrial não está desenvolvido a pleno e isso só vai afastar novas empresas da região.

O valor arrecadado será pífio aos cofres destes municípios e grande parte do valor arrecado será repassado, como o projeto prevê, para outras regiões do estado. Ou seja, estaremos nós bancando as melhorias para o interior gaúcho.

Frente a este e tantos outros dados, as entidades representativas e os poderes constituídos pouco se fazem presentes quando da explanação a quem realmente pode vir a nosso encontro. Na última segunda-feira, 16/05, mais um encontro de suma importância no Ministério Público, porém quem efetivamente nos representa, não se fizeram presentes. Alguns empresários abnegados pela causa e políticos estavam ali tomando espaço que também deveria ser preenchido por autoridades locais.

O tempo urge e somente colocar faixa, cartazes, adesivos, redes sociais, discursos evasivos nos gabinetes não tornam o efeito almejado. É necessário mais, e muito mais: arregaçar as mangas, ir as frentes de batalha e lutar para o objetivo ser alcançado: pedágio na ERS-118 jamais.

O futuro que se avizinha está logo aí e o relaxamento hoje pode custar demais para as próximas dezenas de anos e para o nosso desenvolvimento.

COMENTÁRIOS ()