Sábado, 29 de Abril de 2017 |

Editorial

Para o futuro valorizando o passado

Por Redação em 21 de Novembro de 2014


No decorrer da semana inúmeros foram as notícias alvissareiras que tomaram conta do noticiário local e nacional. Muitas destas nos deixaram perplexos com o desenrolar das informações vindas e ainda nos deixarão mais perplexos com o que está por vir. Há algumas semanas afirmamos neste mesmo espaço de que o “mensalão” era somente a ponta do “iceberg” daquilo que ainda viria a tona. E dia-após-dia mais perplexos ficamos com as novas informações vindas da Polícia Federal e do Ministério Público. Além disso, os longos embates para fechamento de contas do Governo Federal, tentando mudar as cartas nos minutos finais de mandato.
Enquanto aqui no nosso pago, estamos às portas do fechar de mais um ano de governo municipal. Grandes feitos e grandes obras são anunciados diariamente. Ruas asfaltadas, retomada de calçamentos, reposição da iluminação pública, melhores atendimentos à população, gabinetes “abertos” com agendamentos, etc.
Se não bastasse que isso deveria ser a tônica fundamental desde o primeiro dia da posse, no apagar das luzes do segundo ano de mandato tomam-se de modo sutil novas medidas. Após mais de 700 dias de governo, como se tivesse hibernado por esse longo período, renasce como sendo o precursor de um novo tempo, de um novo modelo de administração capaz de abrilhantar e de sobrepor a tudo e a todos. E ainda restam aproximadamente dois anos.
Mais fica para o passado as lutas feitas e conquistas realizadas. O entoar do belo hino do município não se ouve ecoar em eventos oficiais. O local mais visitado do passado e que servia de descanso hoje está jogado ao relento, esquecido, agonizando. A Lagoa do Cocão somente é lembrada quando o descaso é tão grande e ações momentâneas somente são retomadas e deixadas novamente no esquecimento. A entrada da cidade, com o seu pórtico, continua também no seu abandono.
E no decorrer da semana forças vivas e devidamente selecionadas debateram o IDH – Índice de Desenvolvimento Humano de Alvorada. Notou-se a falta de grandes nomes que fizeram parte recente da história da cidade num passado bem próximo. Vários objetivos novos foram traçados, e será que os que virão vão fazer o mesmo que os atuais ocupantes de cargos fizeram com os seus antecessores?
Se assim acontecer, daqui há alguns anos estaremos reunidos novamente se lamentando dos passos mal dados e que não estavam acompanhados dos que nos antecederam. Queremos que isso não aconteça e que saiamos destas páginas para uma história de sucesso.

COMENTÁRIOS ()