Sbado, 28 de Novembro de 2020 |

Editorial

Porque não consultar o povo?

Por Redação em 03 de Maio de 2019


Em 2017, a reportagem do Jornal A Semana noticiou uma mudança nos itinerários e linhas de ônibus que foi desenvolvido pela Prefeitura, em parceria com a VAL. Na oportunidade, todos falavam sobre os estudos realizados na época, mas não foi o suficiente. Depois de audiências convocadas pelos vereadores e comunidade civil, o projeto foi arquivado.

Diversos eram os motivos que levaram a isso, mas o principal era a falta de comunicação com a população. Contudo, dois anos depois, o projeto novamente é apresentado já com data para início de implantação: 11 de maio. Mas o que foi feito neste período? É óbvio que houveram mudanças que eram pedidas pela comunidade. Contudo, a publicidade disso nunca ocorreu.

Houveram apenas uma ou duas sessões do Legislativo onde isso foi debatido. Muitos moradores sequer eram informados sobre as agendas de audiências. A própria redação nunca recebeu um comunicado de quando haveria um novo encontro. Mas o que acontece? Novamente, o poder público e a iniciativa privada colocam um programa em prática sem passar de forma clara e precisa o que vai acontecer.

O problema disso tudo é de que muitos saberão da mudança apenas quando ela de fato ocorrer. Quando entrar no ônibus e ver que ele não passa mais em determinado local. Nenhum vereador tocou no assunto, talvez por ser uma prerrogativa do prefeito desenvolver esse tipo de projeto. Contudo, a população será a única prejudicada neste sentido, afinal quem acredita nas dificuldades da empresa?

Reclamar da falta de dinheiro que entra é uma prática antiga de empresas que prestam serviço através de concessão pública. Contudo, mesmo passando tantas dificuldades como eles falam, nunca se viu a empresa abdicar de prestar o trabalho e entregar a concessão para a concorrência – assim como acontece em outras cidades da região metropolitana.

A Prefeitura nada ganhará com isso. A empresa provavelmente ganhará bastante com esta iniciativa. Mas e o povo de Alvorada? Aquele que realmente utiliza o transporte coletivo para trabalhar no dia a dia. Ele não vai ganhar em quase nada com isso. Muitas vezes ainda perderão tempo com essa iniciativa.

Uma pena que ambientes democráticos não existam em todas as esferas. Tomara que a população seja informada destas mudanças a tempo e que elas realmente funcionem. Contudo, pode-se ter certeza que o objetivo delas é gerar lucro para os grandes conglomerados do município e não gerar economia no bolso do contribuinte que utiliza do serviço ofertado.

COMENTÁRIOS ()