Domingo, 25 de Outubro de 2020 |

Editorial

Toda a cidade quer ter o natal

Por Redação em 06 de Dezembro de 2019


O fim do ano se aproxima. Com ele chegam os momentos de reflexão. É o momento de recordar bons momentos, superar situações ruins e crescer com todo esse processo. O mês de dezembro tem esse peso, mas também tem muita festa. É a época do ano em que a família e os amigos estão reunidos e as mágoas ficam no passado e há festejos pelo ciclo que se encerra e o outro que começa.

Talvez seja por esse sentimento que muitos decoram suas casas (externa ou internamente). A ideia é trazer o espírito de que bons momentos estão por vir. Talvez seja por isso também que a Prefeitura, mais uma vez com o apoio do empresariado alvoradense, decorou a Avenida Presidente Getúlio Vargas e a Praça Leonel Brizola com luzes e árvores natalinas.

Infelizmente a Prefeitura não tem recursos para fazer isso sozinha e utiliza do apoio do empresariado para tal. Contudo, essa solidariedade mostra que não é apenas o poder público que se preocupa com o futuro e a autoestima da população. Todos querem uma Alvorada melhor, independente do poder e do cargo que ocupam. Nesse período do ano o objetivo é o mesmo.

O problema é que, muitas vezes, não se tem o reconhecimento de que Alvorada é mais do que apenas a parada 48. Isso já foi visto no acampamento farroupilha, quando muitos patrões alegam querer ajuda o ano inteiro e um espaço mais amplo para se alocar no mês de setembro. Agora que chega o mês de dezembro, esse sentimento se assola junto ao natal.

Alvorada sofre com a crise econômica, problemas sociais e a realidade de bairros humildes. Como esses alvoradenses vão poder usufruir de uma programação natalina se ela não chega ao seu bairro? Obviamente que não é uma missão fácil decorar as praças de todas as regiões, mas algo precisa ser planejado em um futuro próximo. Talvez assim seja possível democratizar o natal.

Isso não tira o mérito do que é feito hoje. Os empresários e o poder público agem com o que, aparentemente, tem à sua disposição. Entretanto, o futuro precisa ser pensado. Se o objetivo é retomar a autoestima no Sitio dos Açudes ou no Umbu, é necessário que se pense alternativas para que as crianças e adultos destes bairros também tenham o natal que merecem.

Se esse período do ano é utilizado para festejar e refletir, a administração pública tem de ter dois objetivos: festejar pelo apoio da iniciativa privada em realizar uma festa natalina como essa e refletir sobre o futuro e ampliação desse projeto. Todos merecem festejar o natal e serem beneficiados com esse programa que leva tanta alegria para o município.

COMENTÁRIOS ()