Sexta-Feira, 18 de Agosto de 2017 |

SIMA

Coluna SIMA

Por Redação em 08 de Janeiro de 2016


O desabafo de uma servidora cobrando do Prefeito Professor Serginho o pagamento integral de seu salário é a tradução do sentimento de revolta e frustração que o funcionalismo municipal vem passando nos últimos dias diante da frieza e negligência de um governo que preteriu a boa gestão e optou pela “governabilidade”. Uma Administração que governa somente para seus aliados, deixando para a sociedade e funcionalismo o descaso, com a postura de quem já jogou a toalha.

O reflexo de ações irresponsáveis com as finanças públicas agravou a crise fiscal que o Município atravessa. A ausência de políticas de austeridade fiscal juntamente com pouca habilidade política do gestor, ao longo desse mandato, culminou no atual cenário econômico. Onde servidores foram “embretados” a pedir empréstimo junto ao BANRISUL para receber o salário correspondente ao mês de dezembro. Outros optaram por não fazer o empréstimo e ficaram reféns da insegurança de receber seus vencimentos. Mesmo com a determinação judicial para pagar o salário de dezembro até o dia trinta e um do correspondente mês, o governo ignorou a liminar descumprindo a decisão do Tribunal de Justiça do Estado, também não pagou férias dos servidores, respectivas ao mês de janeiro e, ainda, estipulou um calendário para o pagamento atrasado das férias, bem como, o parcelamento de salários.

Diante do desespero daqueles que ficaram sem seu salário, sem o sustento para a família, o SIMA e servidores ocuparam o prédio da Prefeitura Municipal a fim de cobrar uma solução imediata do Prefeito Serginho. O qual só aceitou receber o Sindicato e servidores no final da tarde sob a exigência que os mesmos retirassem faixas de protestos e desocupassem o prédio da Prefeitura, pois uma delas fazia referência à incoerência da Deputada Stela Farias, eleita pelo seu partido, visto que cobravam que sua postura fosse a mesma mediante os governos estadual e municipal. A reunião foi marcada pela indiferença e frieza nas palavras do Prefeito e secretários diante da situação caótica e emocional dos servidores, pelo desabafo de uma colega agente de saúde que passou o ano novo sem dinheiro, e só tinha feijão e arroz para oferecer aos seus filhos. Somente após muita discussão o Governo propôs fazer um depósito de quinhentos reais R$ 500,00 na conta dos servidores que ainda não receberam salário, como forma de amenizar o problema promovido pela falta de planejamento orçamentário e organização financeira da atual administração, principal causas da insuficiência de recursos para honrar a folha de pagamento do mês de dezembro, assim como pela não garantia do pagamento da folha de janeiro em dia pelos membros do governo. Diante de toda essa má gestão salientamos que estamos alertas e prontos para a defesa dos colegas e, o SIMA não se calará.

COMENTÁRIOS ()