Sexta-Feira, 12 de Agosto de 2022 |

SIMA

Mais do mesmo: Governo Appolo corta o ponto dos professores que participaram da paralisação de 1º de abril

Por Redação em 03 de Junho de 2022


Outra vez, o Governo Appolo demonstra o desprezo para com os servidores públicos de Alvorada. Em represália à paralisação do magistério, ocorrida no dia 1º de abril, a titular da Secretaria Municipal de Educação (SMED), Neuza Machado Teixeira, que também é professora e vereadora do MDB, cortou o ponto dos educadores que ocuparam a Praça diante da prefeitura para revivindicar o pagamento do Piso Nacional do Magistério, conforme manda a Lei n° 11.738, de 2008.

Aliás, em matéria de descumprimento da legislação, o prefeito Appolo, do MDB, está entre os piores. Segundo a Lei do Piso, os professores deveriam ter o salário reajustado em 33.24%, no mês de janeiro. Como a distância entre o que determina a lei e o que ganham os educadores é de R$ 304,03, a categoria já perdeu mais de R$ 1.500.

Então, em vez de cumprir a lei e pagar aos educadores como manda a lei, o governo prefere punir os professores com a perda do dia em que lutavam por justiça. Novamente, prevaleceu a aversão ao diálogo e o desrespeito às assembleias e reuniões organizadas pela representação sindical, apesar de a Secretária da Educação dizer ao SIMA que a falta no dia 1º de abril seria negociada entre a SMED e as escolas municipais.

DINHEIRO TEM. MAS PARA O QUÊ?

Vale lembrar que, ainda sob pressão da pandemia do novo coronavírus, o Governo Appolo convocou 1.300 professores para comparecer a uma palestra presencial com o tema “O que aprendemos com a pandemia”, em mais um ato de irresponsabilidade da administração pública. Coincidentemente, a convocação ocorreu no dia do aniversário da Secretária de Educação de Alvorada.

O governo municipal desprezou o fato de que as mesmas pessoas convocadas para esse evento presencial estariam diante de nossas crianças, que voltaram às aulas em meio à tanta incerteza. O acontecimento foi realizado em 14/02 e teve lugar na Quinta da Estância, uma fazenda de turismo ecológico localizada em Viamão.

NÃO CORTE O PONTO, PAGUE O PISO!

O governo fora da lei, que descumpre as leis, corta a gratificação e o ponto dos professores, gastou mais de 200 mil para promover um evento dispensável, que só expôs a saúde dos educadores ao risco. Os professores não querem festa esnobe, prefeito. Querem respeito e reconhecimento na forma de valorização salarial e respeito funcional.

COMENTÁRIOS ()