Terça-Feira, 19 de Setembro de 2017 |

Você Lembra?

Por César Freitas

1077- RÉGIS

Por Redação em 30 de Janeiro de 2013


No futebol gaúcho temos algumas família que contribuíram para a grandeza dos nossos clubes como os Martha de Freitas, os Pontes, os Hickmann, os Muratore de Souza, e os Amarante Lima de Quadros, que nos deram o Amarante, um habilidoso meia cancha que brilhou no Guarany de Bagé, que foi o nosso “Você Lembra?, número 182, e Luiz Eduardo zagueiro que brilhou no Grêmio, que foi o nosso “Você Lembra?” número 275. e o Régis, zagueiro que brilhou no Inter, São Paulo, Fluminense e vários outros clubes. Régis foi um eficiente defensor de boa estatura que tinha ótima impulsão e boa técnica para sair jogando. O seu nome completo é Régis Amarante Lima de Quadros, sendo natural de Porto Alegre, onde nasceu no dia tres de junho de 1976. Iniciou suas atividades esportivas na escolinha do Grêmio com nove anos de idade. Aos quinze anos foi para as divisões inferiores do Inter. Em 1995 passou a integrar a equipe de juniores que jogava com João Gabriel; Pedrinho, Jorge Andrade, Régis e Vinicius; Odair, Marcelo Rosa e Macedo; Gustavo, Carazinho e Leonardo. Se profissionalizou no ano seguinte permanecendo no Beira Rio até 1999. Em 1996 o Inter jogava com André; Celso Vieira, Marcio Tigrão, Régis e Vinicius; Fernando, Paulo Isidoro e Yan; Fabinho, Leandro e Fabiano. Em 1999 o Inter formava com Preto; Lucio, Gonçalves, Regis e Enciso; Anderson; Leandro Guerreiro e Lúcio Flavio; Fabiano, Christian e Elivelton. Em 2000 foi para o Fluminense que ia a campo com Murilo; Flávio, César, Régis e Fabinho; Roberto Brum, Donizete Amorim e Jorginho; Magno Alves, Alessandro e Roger. Em 2003 foi contratado pelo São Paulo que era escalado com Rogério Ceni; Leonardo, Jean, Régis e Gustavo Neri; Maldonado, Fábio Simplício, Kaká e Ricardinho; Reinaldo e Luiz Fabiano. A seguir foi para o futebol russo. Retornou ao futebol brasileiro para defender o Cruzeiro mineiro, Brasiliense e Ponte Preta. Depois de uma rápida passagem pelo futebol dinamarquês retornou ao nosso futebol para atuar no Juventude em 2007 que jogava com Michel Alves; James, Leonardo Silva, Régis e Zé Rodolpho; Marcão, Julio César e Marabá; Renato, Heber e Michel. No ano seguinte foi para o futebol uruguaio defender o Nacional. Em 2009 estava em Santa Catarina defendendo o Figueirense que formava com Wilson; Lucas, Bruno Perrone, Regis e Welington; Roger, Talmeti e Jairo; Pedrinho, Schuenck e Rafael Coelho. Finalmente em 2010 foi para o Vila Nova de Goiás, onde encerrou sua movimentada carreira como atleta de futebol. O Vila Nova era escalado com Max; Dida, Marx Ferraz, Régis e Michel; Vitor, Nunes, Joilson e Anderson Mello; More e Roni. Régis considera que Figueroa e Celso Roth foram os melhores técnicos que teve. Os grandes zagueiros que viu em ação foram Mauro Galvão, Gamarra e Junior Baiano. Os atacantes mais difíceis de serem marcados foram marcados foram Romário e Edmundo. Os seus gols inesquecíveis foram consignados nos jogos Fluminense 3 X Atlético MG 2, e Inter X Paraná. Os seus ídolos nos gramados foram Romário e Zico. Hoje Régis reside em Porto Alegre e hoje é técnico do Riopardense. Assim, resgatamos a história futebolística de Régis Amarante Lima de Quadros, o Régis que além de ter sido um excelente zagueiro foi um lídimo representante da família Amarante Lima de Quadros, que tem muita tradição no nosso futebol.

COMENTÁRIOS ()