Sábado, 16 de Dezembro de 2017 |

Você Lembra?

Por César Freitas

1132- GLÊNIO

Por Redação em 07 de Março de 2014


Ao longo dos anos, de maneira especial quando tinha como seu campo de jogo o Estádio da Montanha, o Cruzeiro teve excelentes zagueiros como Neno, Carazinho, Tonico, Bruno Camozatto, Airton, Daison Pontes, João Pontes e Glênio, o nosso focalizado nesta edição, entre muitos outros. Glênio foi um zagueiro firme na marcação e com muito boa impulsão. O seu nome completo é Glênio Machado de Oliveira, sendo natural de Dom Pedrito, onde nasceu no dia quatro de setembro de 1939. O seu primeiro clube foi o Guarani de Cruz Alta, posteriormente foi para o arqui rival Nacional da mesma cidade. Em 1963 veio para o Cruzeiro de Porto Alegre, que jogava com Heitor; Vilmar, Glênio, Daison Pontes e Jorge Andrade; Pedruca e Jarbas; Tesourinha II, Armando, Picão e Banana. A seguir foi para o Atlântico de Erechim, que em 1971 jogava com Nelson; Glênio, Noé, Dias e Beto; Mujica, Pata e Luiz Carlos; Tonho, Bugre e Celso. Finalmente foi para o Ta-Guá de Getulio Vargas, onde encerrou suas atividades como atleta profissional. Glênio considera que Osvaldo Rolla, o saudoso Foguinho foi o melhor técnico que teve a orientá-lo. O melhor zagueiro que viu em ação foi Airton Ferreira da Silva. O atacante que lhe deu mais trabalho para ser marcado foi Ney Silva. O seu gol inesquecível foi marcado num Inter X Cruz válido pelo Torneio Inicio, quando fez o gol nas cobranças de penaltes. O seu ídolo nos gramados é Leonel Messi. Hoje Glênio reside em Chapecó, SC onde exerce as atividades de administrador rural. Assim, resgatamos a história futebolística de Glênio Machado de Oliveira, o Glênio que foi um zagueiro que marcou presença no nosso futebol nas décadas de sessenta e setenta.

COMENTÁRIOS ()