Quinta-Feira, 22 de Junho de 2017 |

Você Lembra?

Por César Freitas

1291- ACOSTA

Por Redação em 14 de Outubro de 2016


Inegavelmente o futebol uruguaio é um dos mais importantes da América do Sul. Vários clubes gaúchos e brasileiros buscaram em gramados uruguaios craques como Ancheta, Ruben Paz, Diego Forlan, Trazante, Solis Rodriguez, Pablo Forlan, Pedro Rocha, Dario Pereyra, Rodolfo Rodriguez entre muitos outros. Acosta foi outro jogador uruguaio que teve efêmera, porém marcante passagem pelo nosso futebol. Atacante de boa técnica na condução da bola, brilhou intensamente no Náutico no Brasileirão de 2007, que jogava com Eduardo; Vagner, Everaldo e Toninho; Sidney, Eli Carlos, Radamés Acosta e Hamilton; Felipe e Ferreira. Graças às suas boas atuações no ano seguinte foi contratado pelo Corinthians que atuava com Felipe; Chicão, William e Carlão; Carlos Alberto, Fabinho, Elias e Douglas; Dentinho e Acosta. Em 2009 retornou ao Náutico que era escalado com Gledson; Patrick, Vagner, Cláudio Luiz e Michel; Nilson, Delei Anderson Santana; Carlinhos Bala, Ailton e Acosta. No final desse ano retornou para o futebol uruguaio contratado pelo Cerrito. Posteriormente defendeu o Defensor de Montevidéu para encerrar sua carreira como atleta de futebol em Macapá. Uma carreira que iniciou em 1994 no Defensor, em 1997 foi para o Platense e posteriormente esteve no Cerrito e Penharol, de onde veio para o futebol brasileiro. O seu nome completo Alberto Acosta, sendo natural de Montevidéu, onde nasceu no dia treze de janeiro de 1977. Acosta considera que Mano Menezes, Roberto Fernandes, Ricardo Moller e Gregorio Perez foram os melhores técnicos que teve a orientá-lo. O melhor meia com as suas características que viu em ação foi o argentino Riquelme. Os volantes que melhor lhe marcaram foram Miranda e Thiago Silva. Os seus gols inesquecíveis foram marcados no jogo Náutico X Botafogo, quando consignou quatro gols. Acosta não tem ídolos nos gramados. Hoje aposentado, Acosta reside em Montevidéu. Assim, resgatamos a história futebolística de Alberto Acosta, o Acosta que teve marcante passagem por gramados brasileiros na primeira década deste século.

COMENTÁRIOS ()