Quarta-Feira, 22 de Novembro de 2017 |

Você Lembra?

Por César Freitas

1346- ÉMERSON

Por Redação em 10 de Novembro de 2017

(Foto: Divulgação)


No futebol, assim como em todas as a atividades humanas, o fator sorte é fundamental. Não basta ter muito talento, porém não contando com a sorte, tudo fica mais difícil. O Émerson, nosso entrevistado nesta edição, é o caso típico que ilustra bem o que afirmei acima. Émerson foi um excelente goleiro, porém teve a infelicidade de sofrer fratura de ossos de sua perna em duas oportunidades, o que lhe truncou uma longa permanência no Estádio Olímpico. O seu nome completo é Emerson de Souza Ferretti, sendo natural de Porto Alegar onde nasceu no dia três de setembro de 1971. Iniciou suas atividades esportivas nas divisões inferiores do Grêmio , onde se profissionalizou. Em 1991 a equipe gremista jogava com Emerson; Chiquinho, João Marcelo e Lira; Pino, Caio e Juninho; Renato, Alcindo e Assis. No ano seguinte os tricolores iam a campo com Émerson; Grotto, Luciano, Wagner Fernandes e Lira; Jandir, Alaércio e Carlos Miguel; Caio, Alcindo e Mabília. Em 1995 Émerson, já recuperado das lesões foi contratado pelo Flamengo carioca. O Mengo jogava com Émerson; Fabiano, Herbert, Agnaldo e Alexandre; Pingo, Wesley e Hugo; Rodrigo, Marco Aurélio e Aloisio. Em 1997 foi contratado pelo América carioca que atuava com Émerson; Wilson, Saint Clair, Gilsinei e Vanderlan; Caçapa, Carlinhos e Rogério; Jeferson, Renato e Éderson. No mesmo ano se transferiu para o América do Rio Grande do Norte que era escalado com Émerson; Lico, Carlos Mota, Gito e Mingo; Toninho, Carioca e Moura; Biro Biro, Joãozinho e Vanderlei. No ano seguinte foi contratado pelo Bragantino. O “Braga” jogava com Émerson; Marcinho, Nem, Augusto e Vital; Marcão, Caçapa, Piá e Ronaldo Alfredo; Leto e Paulinho. Em 1999 retornou para o futebol gaúcho para defender a meta do Juventude que formava com Émerson; Picoli, Capone, Indio e Denis; Lauro, Flávio e Mabília; Walace, Maurilio e Fernando. No ano seguinte foi contratado pelo Bahia que ia a campo com Émerson; Felipe Alvim, Jean.Valder e Jeferson; Reginaldo Nascimento; Bebeto Campos e Jorge Vagner; Curê, Marcos Paulo e Dedê. No ano seguinte o tricolor baiano era escalado com Émerson; Mantena, Jean Elias, Carlinhos e Jeferson; Preto, Bebeto Campos e Ramos; Alexandre, Marcos Vinicius e Nonato. Permaneceu no clube da Fonte Nova até 2005. Em 2006 Émerson estava no arqui-rival Vitória que atuava com Émerson; Ademir, Bruno Lopes, Itamar e Alysson; Jairo, Azevedo, Leandro Domingues e Índio; Mendes e Marcio Carioca. Permaneceu no rubro negro baiano até 2007 quando encerrou suas atividades como atleta profissional. Émerson considera que Evaristo de Macedo e Luiz Felipe Scolari foram os melhores treinadores que teve a orientá-lo. O melhor goleiro que viu em ação foi Cláudio Taffarel, que também é o seu ídolo nos gramados. Os jogos inesquecíveis, onde defendeu até pensamento foram: Corinthians 0 X Juventude 0, pela Copa do Brasil de 1999 e São Paulo 0X Bahia 1 pelo Brasileirão de 2001. Hoje Émerson reside em Salvador onde é o atual presidente do Ypiranga local. Paralelamente atua como comentarista esportivo da Rádio Transamérica. Assim, resgatamos a história futebolística de Émerson Souza Ferretti, que inegavelmente foi um excepcional goleiro, porém teve muito azar quando defendia a meta do tricolor gaúcho, sofrendo duas graves lesões.

COMENTÁRIOS ()