Domingo, 09 de Maio de 2021 |

Colunista


Conversando sobre o cotidiano


Paulo Franquilin


franquilin.pc@gmail.com


Suicídios

A retirada da própria vida é um dos atos mais extremos do ser humano, pois ataca o principal instinto de nossa espécie, o da sobrevivência, enquanto as ações violentas contra as outras pessoas têm uma lógica de defesa à vida, ou então um desequilíbrio na relação com os outros.

O mês de janeiro foi encerrado com cinco suicídios de integrantes da Brigada Militar, com uma sucessão de mortes pelos mais diversos motivos, sendo as causas mais comuns ligadas às situações traumáticas para as quais não há a estrutura para superar e seguir em frente.

Mas o que leva uma pessoa a desistir de viver, deixar de respirar e conviver com os outros, talvez tudo comece com sinais que passam pelo isolamento e por desinteresse pelas atividades sociais, além do relaxamento com a aparência e a higiene.

A depressão é um dos maiores problemas da nossa sociedade, pois não aceitar a negativa por um desejo causa frustração, que muitos não conseguem aceitar. Perder uma companhia, ser trocado têm a possibilidade de desencadear o processo depressivo.

Os relacionamentos estão cada vez mais curtos, os pares não aceitam os defeitos e as falhas, assim o mínimo de mudança já causa uma separação.

Os problemas financeiros são outro ponto de criação de processos de não suportar viver, pois as exigências de nossa sociedade, muitas vezes, obrigam as pessoas a gastarem muito mais do que ganham, para a aquisição de bens de consumo fúteis e desnecessários acabam gerando a perda da capacidade de controle dos gastos e gerenciamento do dinheiro.

A frustração profissional é outra causa, porque muitos esperam ter reconhecimento e crescimento, que muitas vezes não acontecem ou esperam um trabalho menos árduo, que se mostra difícil no cotidiano do trabalho.

Assim o suicídio chegou a estes números extremos na Brigada Militar, com a perda de cinco integrantes da instituição, os quais desistiram de viver e com isso acenderam a luz de alerta para as autoridades da segurança pública.

COMENTÁRIOS ()