Sbado, 25 de Setembro de 2021 |

Colunista



Fim de um símbolo

O recente incêndio no prédio da Secretaria de Segurança Pública acabou com um prédio histórico do Rio Grande do Sul, que teve sua inauguração nos anos 1970, como sede da RFFSA.

Com a extinção da Rede Ferroviária Federal nos anos 1990, o prédio foi abandonado e ficou vazio por quase vinte anos, porém em 2002 foi repassado ao Estado e começou sua reocupação.

No primeiro momento somente um andar foi ocupado para instalação do Centro Integrado de Segurança Pública, para atendimento do fone 190, com a participação de integrantes de todas as instituições de segurança pública para atender o público.

Com o tempo os demais espaços foram tomados pela administração central da Secretaria de Segurança Pública, além de serem distribuídos locais para a Brigada Militar, Polícia Civil, Susepe, IGP e Detran.

A realização da Copa do Mundo em 2014 possibilitou a criação de um Centro de Monitoramento Eletrônico para o município de Porto Alegre, que foi ampliado após o término do evento.

Atualmente trabalhavam no prédio, aproximadamente, 400 pessoas, de todas as instituições e empresas terceirizadas que prestavam serviços à Secretaria, com a ocupação total dos nove andares.

O incêndio teve início no teto do quarto andar, ocupado pela Susepe, que foi detectado por alguns servidores, os quais tentaram combater, utilizando extintores, porém não conseguiram controlar.

Após o alerta o prédio foi evacuado, sendo solicitado o Corpo de Bombeiros, que iniciaram o combate ao incêndio, que se alastrou para os demais andares, atingindo o centro do prédio.

Alguns bombeiros entraram para buscar pessoas que estivessem dentro do prédio, porém houve um desabamento na parte central, num colapso da estrutura em pouco tempo, assim dois bombeiros morreram.

A nova imagem do prédio destruído choca a todos os gaúchos, restando as ruínas do incêndio que foi combatido, com valentia, por bravos servidores públicos.

COMENTÁRIOS ()