Segunda-Feira, 27 de Setembro de 2021 |

Colunista


Direito e Cidadania


Valmor Freitas Junior



Movimento RS118 sem Pedágio!

Na última coluna que escrevi neste espaço, após fazer considerações sobre o atual momento da cidade - que tem recebido investimentos importantes - referi a previsão de instalação de uma praça de pedágio na RS 118, medida que vem na contramão do desenvolvimento econômico de toda a região, especialmente do nosso município.

Não há absolutamente nada que convença que a instalação de uma praça de pedágio na região possa contribuir para o crescimento dos municípios, ou, sob qualquer outra forma, para o estímulo da economia. Muito antes pelo contrário.

Sob um olhar atento ao futuro da nossa região, precisamos, sim, criar mecanismos de maior mobilidade, e com segurança. Não, todavia, ao custo de uma concessão como esta que se pretende realizar.

Isso significa admitir que todos os moradores, empresários e trabalhadores, teriam que suportar um custo diário para se locomoverem. Lembro, aliás, que são muitas as pessoas que, diariamente, se deslocam de uma cidade para a outra para trabalhar e garantir o sustento. Não tenho, portanto, qualquer receio em afirmar que, a instalação de pedágios em áreas urbanas, implica na monetização do direito constitucional de ir e vir, deflagrando verdadeira injustiça social.

Ademais, do ponto de vista do desenvolvimento econômico, nosso município será fortemente atingindo se confirmada a instalação. Nós, que há muito tempo lutamos para criar um ambiente que estimule investimentos na nossa região, sofreremos demasiadamente com a medida. Isso porque, considerando o custo que o pedágio representa, poderá afastar empresas que queiram se instalar na nossa cidade. E nesse sentido devemos lembrar que o principal acesso ao nosso distrito industrial, ocorre através da RS 118. Portanto, é inadmissível conceber este absurdo.

Alvorada tem um dos piores PIB's do Rio Grande do Sul, e precisa de ações estratégicas que estimulem a circulação de renda. E isso inevitavelmente passa pela criação de um ambiente que seja atrativo para empresas e investidores, que queiram apostar na nossa cidade, empreendendo, gerando empregos, renda e tributos. Nós que temos comemorado investimentos importantes recentemente realizados na nossa cidade, além da consolidação de outros tantos empreendimentos bancados por quem é daqui, não podemos admitir que isso se confirme.

O movimento está consolidado. Associações, entidades de classe, agentes políticos, poderes constituídos e toda a sociedade está unida num único objetivo: Não ao pedágio! E tenho esperança, que após ouvida a sociedade através de suas lideranças, o governo do Estado reconsidere a ideia inicial de instalação do pedágio na RS118, compreendendo o impacto que isso causará em toda a região. Ademais, não há como conceber também, que após todo o investimento público que RS 118 recebeu ao longo de anos, nos submetendo a obras que pareciam intermináveis - que passaram de governo pra governo (vários governos) - a rodovia seja agora entregue desta forma, gerando um novo custo para toda a sociedade. Não podemos e não vamos pagar esta conta duas vezes!

Por fim, considerando que a proposta do governo está contemplada dentro do programa avançar, que isso de fato ocorra, mas não com o pedágio, pois isso, na verdade, implicará num grande RETROCESSO de toda a região, e o "avanço" aqui, não passaria de uma grande e mera ficção. NÃO AO PEDÁGIO NA RS118!

COMENTÁRIOS ()