Quarta-Feira, 05 de Maio de 2021 |

Colunista


Tradição e Cultura


Valdemar Engroff


gaucho.valdemar@pop.com.br


Conteúdo Tradicionalista nas escolas de Porto Alegre

Em sessão extraordinária realizada na tarde desta terça-feira (22/12), a Câmara Municipal de Porto Alegre aprovou o projeto de lei de autoria do vereador Márcio Bins Ely (PDT) que inclui conteúdo sobre a cultura tradicionalista gaúcha nas aulas ministradas em escolas públicas da rede municipal. Segundo o vereador, a iniciativa de estimular o ensino da cultura do Estado provocará mudanças positivas no comportamento dos jovens alunos da Capital, incentivando-os a seguir os passos da tradição. “O carinho e a admiração pela nossa terra são sentimentos belos e honrosos. Diante disto, proponho a inclusão do conteúdo sobre a cultura tradicionalista nas aulas ministradas nas escolas públicas da rede municipal de ensino.” O projeto ressalta que o tradicionalismo baseia-se no folclore, na sociologia, na arte, na literatura, no esporte e na recreação, entre outros ramos do saber, além de rememorar fatos históricos importantíssimos. “O projeto visa à construção de um futuro glorioso, embasado no que há de mais belo no nosso Rio Grande do Sul: as tradições”, conclui Bins Ely. Fonte! Chasque publicado no galpão virtual (sítio) do jornalista Felipe Vieira.

Dos CTGs para a Aldeia

O Projeto Menotti Garibaldi, da Subcoordenadoria de Alvorada, visitou a Aldeia Indígena Takua Hovy, Taquara Verde, Viamão na tarde de 21 de Dezembro . O Trabalho foi realizado pela coordenadora Cultural Marta Guedes, que levou os Ctgs: Amanhecer na Querência; Raça Gaúcha e Bento Gonçalves da Silva, todos de Alvorada. Levaram muitos alimentos não perecíveis, guloseimas, brinquedos e roupas novas para as crianças pequenas, onde trocamos nossas culturas aprendendo e ensinado as danças e costumes. Parabéns para todos os envolvidos, estamos construindo uma nova sociedade. Fonte! Chasque publicado no sítio Jornal Farroupilha Online – www.jornalfarroupilhaalvorada.blogspot.com.

Nota oficial do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG)

O MTG vem a pu?blico se manifestar sobre as colocac?o?es de que o Hino Riograndense possui conotac?a?o racista ao afirmar, em parte da letra, de que “povo que na?o tem virtude, acaba por ser escravo”, durante posse na Câmara Municipal de Porto Alegre. No entender do MTG, tal afirmac?a?o diz respeito a? uma submissa?o da enta?o Provi?ncia de Sa?o Pedro ao Impe?rio, no peri?odo da Revoluc?a?o Farroupilha. E nada tem de discriminato?ria.

Enquanto a comunidade negra, na qual integrantes do pro?prio movimento se inserem, se prende a este tipo de pole?mica, perde um precioso tempo de ser protagonista de uma nova histo?ria que cabe aos pro?prios negros e brancos escreverem. O MTG reconhece a importa?ncia dos negros e dos pro?prios Lanceiros Negros na revoluc?a?o e na construc?a?o de nossa identidade regional. E tem manifestado esse respeito, inu?meras vezes atrave?s das danc?as tradicionais, canto e poesia. Em 2020, de forma ine?dita, promoveu uma programac?a?o virtual, alusiva a? Semana da Conscie?ncia Negra. E assim seguira? na luta pela inclusa?o do negro em nossa cultura.

No entanto, entende que desfiar o foco dessa luta, atendo-se a questionamentos que carecem de contextualizac?a?o histo?ria e desvia o foco daquilo que deve realmente ser discutido. Esta é a manifestação de Julia Graziela Azambuja - negra e diretora do Departamento de Manifestac?o?es Individuais e Exponta?neas do MTG.

COMENTÁRIOS ()