Domingo, 26 de Setembro de 2021 |

Colunista



Os 36 anos do CTG Chilena de Prata

O primeiro CTG pós emancipação política de Alvorada a ser fundado foi o CTG Chilena de Prata, no dia 1º de março de 1985. Na reunião do dia 8 de março daquele ano, foi escolhido o nome da entidade, sugerido por Lino Ribeiro e foi formada a primeira patronagem: patrão – Francisco G. Ramalho; capataz – João Batista Costa; sota-capataz – Luiz Carlos Ribeiro e agregado das pilchas – Lino Ribeiro.

Em 7 de outubro foi publicado o Decreto Municipal 604/85, com cedência de uma área de terras na Rua José do Patrocínio, que depois recebeu o nº 235 (sede). Em 13 de setembro, o CTG, juntamente com o CTG Campeiros do Sul, buscou pela primeira vez a Chama Crioula, na Ponte da Figueira, em Viamão. Em 7 de março de 1987, foi realizado o primeiro concurso de prendas, sendo vencedoras: Rossana Ribeiro – prenda adulta; Tatiana K. Ramalho – prenda juvenil e Michele Augusto Kaiper – prenda mirim.

Em 14 de março de 1987, o galpão era inaugurado, com missa crioula rezada pelo Pe. Amadeu Canellas de Porto Alegre. O Prefeito Léo Barcelos e esposa Djanira cortaram a fita inaugural e realizou-se o primeiro baile oficial da entidade.

Nos dias 10 a 12 de março de 1994 era realizado o 1º Rodeio Artístico e Cultural Tilintar das Chilenas, na patronagem de Rogério Souza e Sibel. E na gestão do patrão Getúlio da Silva, em 2001, aconteceu o 2º Tilintar das Chilenas Artístico e Cultural, com a participação de mais de 40 entidades tradicionalistas. E em 12 de julho de 2001 tivemos o descerramento da quinta Carta de Princípios no Estado, com a presença do presidente do MTG Manoelito Carlos Savaris, da coordenadora da 1ª Região Tradicionalista Liria Ramos, peões e prendas regionais e de diversos CTGs.

A primeira Cavalgada Feminina de Alvorada, organizada por Elizabeth Moraes, com o apoio da patronagem, teve tal êxito que foi reconhecida pela Ordem dos Cavaleiros do Rio Grande, como um evento oficial. E atualmente está no comando da entidade, patroa Reovane Ribeiro e devido à pandemia do Covid, o CTG não está abrindo o seu galpão e não está realizando eventos, seguindo os preceitos e recomendações das autoridades sanitárias. Este nosso chasque, na comemoração dos 30 anos, foi parar na Revista de Bombacha (digital), capitaneada pelo meu amigo Evandro Hoerle.

Chasque do CTG Amaranto Pereira

Hoje (02/03/2021), apesar do momento triste que estamos vivendo devido a esta Pandemia que afeta todos nós, está sendo um dia de muita alegria pra nós do CTG Amaranto Pereira, pois, graças a Deus conseguimos a prorrogação do TERMO DE PERMISSÃO DE USO da nossa área do CTG validado por mais 5 ANOS em conformidade com o art. 49, inciso IV c/c art. 84. § 3º, ambos da Lei Orgânica do Município.

O primeiro Decreto do Termo de Posse e de Uso foi de 15 anos. Deixo aqui o registro de gratidão ao amigo Osimar Charão (Lula), sócio fundador, ex patrão e membro do nosso conselho fiscal, que intermediou o contato com o Secretário Paulo Ramos. Nossa Gratidão ao Secretário Paulo Ramos, que nos recebeu em seu gabinete e se prontificou a nos ajudar. Também somos gratos ao Prefeito José Arno Apollo do Amaral por assinar a renovação do Termo de Posse da área. Salientamos também que foi na gestão do atual Prefeito no ano de 1996 que foi concedida a permissão de uso conforme Decreto Nº 1.584/96. Adair Rocha, atual patrão do CTG Amaranto Pereira.

COMENTÁRIOS ()