Quinta-Feira, 27 de Janeiro de 2022 |

Documentário que conta a história da dança do cortadinho é lançado na reta final do ano

Projeto dirigido por Saul Jones já está no ar desde a última semana

Por Redação em 31 de Dezembro de 2021

"Além do documentário, também houve uma mostra com dançarinos do município" (Foto: Divulgação)


Um dos projetos financiados pela Lei Aldir Blanc é o documentário sobre a dança do cortadinho, desenvolvido pelo alvoradense Saul Jones. O projeto, que visa contar a história dessa cultura no município, foi lançado na quarta-feira, 22/12, nas redes sociais criadas exclusivamente para o projeto. Contudo, a ideia do idealizador não é de parar apenas nas redes sociais.

Em entrevista, Jones conta que o projeto surgiu através de um convite de Ricardo Duarte, que é um amante do movimento e envolvido com o cortadinho no município. Segundo ele, foi possível averiguar que a história da dança era rica e não poderia ficar apenas no salão. Isso sem contar a desinformação por trás da dança e, com o surgimento da Lei Aldir Blanc, a ideia de um documentário ganhou força.

Só que o alvoradense destaca que o projeto transcendeu e deixou de ser apenas um documentário. “Eu criei uma mostra de dança com cinco casais que fazem parte até hoje dessa história, como os professores Janete & Luiz, Joice & Alberto e Preta & Leo, além dos casais que formam a nova geração e a geração antiga do cortadinho como os casais Natasha & Junior e Cleusa & Juarez”, explica Jones.

Para este evento, foi composta uma canção que traz a história do cortadinho desde a década de 60. Essa música foi gravada e executada por Carlos Weiss, Saul Jones, Vando Lippert, Marcelo Oliveira e João Adelar. Essa ação, atrelada ao lançamento do documentário, vem agradando os amantes dessa cultura e superando a expectativa dos envolvidos no processo.

Isso tudo mostra a importância que o documentário tem para o município. “O documentário valoriza nossa cultura local, com o início do documentário ajudou a tornar mais forte o movimento, que inclusive ganhou força pra que a câmara de vereadores, aprovasse o projeto de lei que tornou o cortadinho como patrimônio cultural da nossa cidade”, salienta o alvoradense.

Contudo, apesar da importância, houve também dificuldades na produção do documentário. Entre elas estão o fato de conciliar as agendas e horários de gravação e os fatores envolvendo a pandemia. O fato da Covid-19 inclusive atrasou o lançamento, que agora deve ganhar forma. Isso porque o diretor já está em contato com a TVE, Canal Brasil e TV Cultura para que o documentário entre na programação.

E a importância deste documentário chegar em mais pessoas é destacada por Alexandre Alves, que foi um dos personagens desta obra. “Este documentário talvez tenha sido o que mais contou a história bonita da cidade pois teve uma pesquisa mais aprofundada botando o povo de Alvorada como protagonista de uma história interessante e positiva na cidade”, enfatiza o artista.

A alegria foi maior ainda ao ver o produto finalizado e disponível para a população. “O produto finalizado eu achei ótimo. Um documentário que pode ser passado em escolas, associações de moradores e até locais públicos para que o próprio povo perceba a sua importância como cidadão fazedor de cultura e costumes que muitas vezes passa desapercebidos”, encerra Alves.

COMENTÁRIOS ( )