Sexta-Feira, 18 de Junho de 2021 |

Secretária Neuza Machado é sabatinada pelo Legislativo sobre o retorno das aulas na pandemia

Audiência fazia parte de reunião da Comissão de Educação da Câmara de Vereadores

Por Redação em 28 de Maio de 2021

"Reunião fez parte da Comissão de Educação e foi realizada antes da sessão ordinária da Câmara" (Foto: Sandro Rogério/Câmara Municipal de Alvorada)


Na tarde de terça-feira, 25/05, antes da sessão ordinária, a Câmara de Vereadores recebeu a secretária de Educação (SMED), Neuza Machado, para um debate com os vereadores e vereadoras sobre o retorno das aulas presenciais em Alvorada. A audiência foi proposta pela Comissão de Educação, presidida por Nadir Machado (PTB) e contou com a presença de parlamentares que não fazem parte da comissão.

Na ocasião, os vereadores trouxeram uma série de questionamentos, inclusive indagados pela população, sobre o plano de contingência para o retorno durante a pandemia, como a compra de EPI’s para equipar as escolas, disponibilização de máscara e álcool para os profissionais e alunos, e o tempo mínimo para garantir a eficácia na imunização dos profissionais que estão retornando.

Em esclarecimento, a secretária afirmou que as escolas estão recebendo o apoio com recurso e equipamentos para garantir a segurança de todos. “Todas as escolas têm o seu COE. Além disso, existe o COE-Municipal, que trabalha na fiscalização das escolas e distribuição dos EPI’s. Além disso, todas as escolas receberam recursos específicos para a compra exclusiva de materiais para o combate da pandemia”, salienta Neuza.

Destacou também que o calendário de vacinação está atendendo de acordo com o início das atividades presenciais e explicou algumas medidas tomadas. “As salas de aula foram medidas para sabermos o número de alunos. Nós não podemos extrapolar devido a pandemia. Até 12 anos não é obrigatório o uso de máscara. Vamos comprar mais de 40 mil máscaras para os alunos e oito mil para os professores”, enfatiza a secretária.

Segundo Neuza, a SMED está mantendo um diálogo constante com o COE, instituições e poderes constituídos. Além disso, vieram recursos exclusivos para que as escolas invistam na compra de materiais de combate a pandemia. São mais de R$ 100 mil enviados pelo Governo Federal e divididos entre as escolas municipais. isso fora os repasses e compras feitas diretamente pela Prefeitura.

Ela explica que o valor destinado para cada escola varia conforme o tamanho da instituição e a quantidade de alunos. “Nós não colocamos torneiras de contato nos banheiros, mas instalamos tapetes, álcool-gel, totens nas entradas. Esse recurso é um extra só para usar no combate a pandemia. Não se pode comprar mais nada para as escolas. Isso é um emergencial para o Covid-19”, ressalta a titular da pasta.

Na próxima semana, a Comissão de Educação irá vistoriar a preparação das escolas para o retorno das atividades presenciais. Segundo vereadores, existem falhas que precisam ser corrigidas. “A colega Giovana me disse que não tinha termômetro nas escolas. Na Glasfira e no Betinho não tinham, mas assim que fomos comunicados, a troca foi feita. Eles receberam, mas os equipamentos apresentaram defeitos”, finaliza Neuza.

Demais pautas

Além disso, a gestora foi questionada sobre a qualificação de auxílio ao ensino remoto, o déficit de vagas no ensino infantil, os valores gastos com aluguéis e a preparação da sinalização viária no entorno das escolas para acolhimento dos alunos. Devido ao horário adiantado, a secretária informou que responderá através de relatório todos os questionamentos feitos pelo parlamento.

COMENTÁRIOS ( )