Segunda-Feira, 02 de Agosto de 2021 |

Clube Brasil Atlético Águia celebra 51 anos de história no mês de junho

Equipe foi fundada em 26 de junho de 1970 e é presidida há 22 anos por Ramão Alvares

Por Redação em 02 de Julho de 2021

"Equipe foi campeã da categoria feminina dos torneios de futebol do município" (Foto: Divulgação)


No dia 26 de junho, o Clube Brasil Atlético Águia celebrou os seus 51 anos de história dentro do município de Alvorada. Nesse período foram conquistados títulos importantes da cidade, como o tricampeonato amador (1993, 1994 e 1995), o campeonato sub-15 (2003), campeão do futsal (2013) e tricampeão feminino (2010, 2020 e 2021). Isso sem contar de títulos conquistados em cidades vizinhas, como em Cachoeirinha (2013).

Hoje o clube é presidido por Ramão Alvares, que entrou na equipe em 1994. No ano seguinte se tornou diretor de esportes e, em 1999, assumiu a presidência do clube – onde permanece até os dias de hoje. Desde então, diversos títulos foram conquistados, mas a maior luta dessa administração é para que a equipe tenha novamente um campo próprio – algo que foi descontinuado em 2007.

A história por trás do campo

Desde sua fundação, a equipe já jogou em diversos campos. Segundo Alvares, primeiro a sede era na Piratini, próximo a Igreja Nossa Senhora da Saúde. Contudo, em 2007, os proprietários do campo – o terreno era da iniciativa privada – entraram com o processo para retomar a área. Com isso, foi destinada uma área próxima à Escola Vale Verde e havia emenda parlamentar para a modernização, mas o projeto nunca saiu do papel.

Com isso, o campo em questão não existe mais e a equipe hoje joga em diversos campos do município enquanto busca uma área no bairro de origem. “Desde 2012 até os dias de hoje a gente mantinha as categorias de base em diversos campos, como a Senzala, no Bairro Umbu; e o campo do Tarumã. Hoje estamos no campo que fica no final da Cedro, conhecido como campo do cantão, onde temos a nossa sede”, explica o presidente.

Por causa disso, o gestor da equipe fala sobre como é não ter uma sede própria mesmo sendo um clube tão antigo e tradicional no município. “O sentimento que de não ter um campo para o futebol no bairro Piratini, que já estava no cenário do esporte nos anos 80, 90, 2000 e 2010. Em 1992 o prefeito Apollo juntamente com o presidente clube, cercaram o campo mais a política foi mais forte e hoje não temos uma área de lazer”, desabafa Alvares.

Quem jogou nesse campo foi Jair Rangel, 67 anos. “Minha relação com o clube sempre foi harmoniosa onde joguei por 2 anos, mas sempre tive uma afinidade com o antigo presidente Jorge, quanto agora com o Ramão. Meus filhos e netos também admiram o time onde o presidente atual vem lutando a mais ou menos uns 25, 26 anos para manter a agremiação funcionando”, relata o ex-centroavante.

Futuro pós-cinquentenário

O presidente também fala sobre o que pretende para está temporada. “As projeções para 2021 são de conquistar a área do bairro Piratini e a criação de núcleos em outros bairros, porque temos hoje pessoas em todos os cantos da cidade. Queremos fazer um trabalho social na cidade. para isso conto com a diretória formada por mim, pelo vice-presidente Edson e pela tesoureira Eliane”, ressalta o presidente.

Outro sonho é poder retornar ao Bairro Piratini. “Hoje, com uma diretoria composta, iremos falar com o prefeito para conquistar novamente a área que já tem para o clube onde podemos beneficiar outros clubes. Também estamos com a programação pronta, mas com a epidemia tivemos que parar com tudo era para fazer homenagem aos atletas, almoços para as categorias de base, amador e ex-presidentes”, finaliza Alvares.

COMENTÁRIOS ( )