Sbado, 04 de Dezembro de 2021 |

Modernização dos campos do Agritter e do São Caetano atrasam e devem ficar prontas até abril de 2022

A ideia é que os dois campos estejam prontos para as competições do próximo ano

Por Redação em 15 de Outubro de 2021

"A Prefeitura entregou o projeto para o campo do São Caetano no prazo estipulado" (Foto: Arquivo A Semana)


O ano de 2020 tinha tudo para ser marcado como o ano do investimento nos esportes. Isso porque dois campos do município tiveram a vinda de emendas parlamentares anunciadas. O deputado federal Giovani Cherini (PL) encaminhou 2019 a vinda de R$ 260 mil para o campo do São Caetano e, em março de 2020, a vinda de R$ 280 mil para o campo do Agritter.

A ideia é equipar os dois espaços com drenagem, cercamento e vestiários. O problema é que os prazos para a entrega das obras já foram concluídos – o campo do São Caetano era para novembro de 2020 e o campo do Agritter não teve prazos divulgados – e nenhuma empresa foi sequer contratada para fazer os investimentos necessários e conquistados na gestão passada.

O parecer da comunidade

A reportagem do Jornal A Semana já esteve no local em algumas oportunidades. A primeira vez foi para noticiar a obra e depois para acompanhar o processo. Em todas as ocasiões os moradores ficaram felizes pela boa notícia, mas receosos sobre o desenrolar da obra. A maioria não acredita que vai ver o campo em frente a sua casa sendo reformado e entregue a comunidade.

Carlos de Oliveira mora há mais de 15 anos na Rua Vasco da Gama, em frente ao campo do São Caetano. Ele falou da importância da obra, principalmente pela drenagem da área. Já Adriana da Silva não mora no bairro, mas acompanha seu filho que faz parte de uma escolinha de futebol que treina no campo. Segundo ela é preciso investir mais e reformar o campo do São Caetano, afinal nem cercado ele é mais.

No campo do Agritter a expectativa pela obra também é grande. Para Mateus de Oliveira, sapateiro que mora em frente ao local, é importante fazer a reforma, mas ele tem receio sobre como será feito para manter o espaço em condições. Já Leonardo Pereira, que trabalha numa marcenaria tradicional da região, também acredita que será importante a obra, mas cobrou cuidados com o descarte irregular de resíduos.

Respostas do Executivo

Em entrevista, o secretário de Cultura, Esporte e Juventude (SMCEJ), Jefferson Teixeira, atualizou o andamento das duas obras. “A licitação do Bonsucesso deu deserta. Nós já estamos encaminhando de novo. No caso do Agritter a gente aguarda a aprovação da Caixa para poder iniciar o processo licitatório. Ambas as obras são para 60 dias de execução”, salienta o titular da pasta.

Segundo ele, a ideia é conseguir finalizar os processos burocráticos ainda neste ano para que o campeonato de 2022 tenha novidades. “A ideia é que os dois campos estejam prontos para o início do campeonato municipal de 2022, que começa em abril. Depois disso nós vamos atrás de outra emenda para o campo do Cantão para podermos cercar o espaço”, finaliza Teixeira.

COMENTÁRIOS ( )