Sbado, 23 de Outubro de 2021 |

Alvoradenses participam de manifestações contrárias ao presidente Jair Bolsonaro

Ato ocorreu na manhã de sábado e percorreu do Ginásio Tancredo Neves até a Praça Leonel Brizola

Por Redação em 08 de Outubro de 2021

"Manifestantes contrários ao Governo Federal percorreram a Avenida Presidente Getúlio Vargas" (Foto: Henrique Santos)


Na manhã deste sábado, 02/10, ocorreu mais um ato de manifestações contrárias a administração do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no município. Dessa vez os protestos tiveram início próximo ao Ginásio Tancredo Neves e percorreram a Avenida Presidente Getúlio Vargas até a Prefeitura. Entre os participantes estavam lideranças partidárias de diversas siglas e sociedade civil.

Em torno de 80 pessoas percorreram e utilizaram os microfones para manifestar sua contrariedade ao atual presidente. Lideranças como a ex-deputada estadual Stela Farias, o presidente do SIMA Rodinei Rosseto, a vereadora Giovana Thiago (PT) e os candidatos em chapas do Executivo Tiano Caduri (PDT) e Rafael Freitas (PCB) estiveram no ato. Outros nomes que concorreram como vereador também participaram da passeata.

Entre as lideranças também estava a deputada estadual Juliana Brizola (PDT), que pela primeira vez veio em um ato contra o presidente na cidade. “É muito bom ver cada um de vocês aqui hoje. Fui criticada por estar presente em um ato político recentemente, assim como devo ser criticada por estar aqui hoje. Contudo, a verdade é que passamos por um momento triste e que faz com que a gente se una”, salienta a pedetista.

Entre os gritos estavam pedidos de melhorias para a educação, direitos para os servidores públicos e pedidos de impeachment contra Bolsonaro. Além de lideranças políticas, alvoradenses que não concorreram a cargos públicos ou não são conhecidos como figuras partidárias participaram da manifestação. Já os carros e comerciantes que viam a manifestação tinham opiniões divididas sobre o ato.

Enquanto alguns motoristas buzinavam em apoio ao movimento e comerciantes aplaudiam a passeata, outros motoristas criticavam a manifestação e reclamavam do impacto do ato no trânsito da cidade. Contudo, não houve nenhum registro de ocorrência em todo o ato, que teve início às 10h e se encerrou próximo ao meio dia – muitos ainda foram participar das manifestações em Porto Alegre durante a tarde.

Segundo Rafael Freitas relatou em suas redes sociais, um dos motivos do movimento não ganhar mais apoio e a falta de divulgação e o uso dos atos para a política. “Além do ato ainda não estar massificado como deveria, há uso por uma parte do movimento movido por interesses eleitoreiros, o que ficou nítido em algumas falas ao final do ato, em frente à Prefeitura”, relata o alvoradense em um texto publicado nas redes sociais.

COMENTÁRIOS ( )