Sbado, 04 de Dezembro de 2021 |

Manifestação promovida pela família de Wagner é marcada por pedidos de justiça aos agressores

Não houve nenhum registro de incidentes ou vandalismo durante o ato

Por Redação em 15 de Outubro de 2021

"Ato pacífico percorreu da Prefeitura até o local onde ocorreu o crime" (Foto: Guilherme Wunder)


A manhã de sábado, 09/10, ficou marcada pelas manifestações após uma semana do assassinato de Wagner Lovato. Centenas de familiares, amigos e pessoas indignadas com o ocorrido participaram de um ato pacífico que saiu da Prefeitura às 10h e foi até o local onde ocorreu o crime. Entre os gritos e faixas estava o pedido de justiça aos agressores e ao estabelecimento onde um deles trabalhava.

A perspectiva de quem estava no ato

Entre as pessoas presentes no ato estava a prima de Wagner, Taiamanda Lovato. Ela falou sobre a importância de se manter um evento pacífico. “A gente queria mostrar como é a nossa família e como era o Wagner. A gente ter soltado a pomba branca no final mostra que queríamos paz e justiça. Não queremos que aconteça o que ocorreu com ele em outras famílias”, relata a jovem.

Everton Lovato também é primo da vítima e falou do sentimento que a família está em viver essa situação. “A gente vê que não está sozinho e queremos justiça. É a comoção pública. Nós precisamos disso. Já houve assassinatos como esse em outros locais e, senão fizermos nada, onde isso vai parar? Precisamos mudar esse cenário e ter justiça”, desabafa o alvoradense.

Quem também se pronunciou foi a filha de Wagner, Natalie Lovato, 22 anos. “A gente veio pedir justiça sem violência até porque não queremos mais isso na cidade. É muito triste ver essas imagens com uma pessoa tranquila e que era de apartar as brigas ao invés de se envolver nisso. Nós não fomos procurados por ninguém e queremos a pena máxima para todos os envolvidos”, conclui a filha.

Açougue reaberto gera indignação

Na segunda-feira, 11/10, o estabelecimento onde trabalhava um dos supostos agressores foi reaberto. A medida desagradou os familiares. “Um total desrrespeito com a comunidade Alvoradense, estar com o estabelecimento aberto é a demonstração total do descaso, pois a morte do Wagner aconteceu neste local e o estabelecimento tem total responsabilidade pelos funcionários”, salienta Taiamanda.

Em um comunicado publicado nas redes sociais ela pediu o apoio dos amigos e familiares para que não se esqueça da morte de Wagner. “Nenhum contato deles foi feito para com a família, nada foi feito, eles precisam entender que sim eles fazem parte deste crime eles não prestaram socorro em nenhum momento. Eles precisam ser responsabilizados por este crime”, finaliza a jovem.

Atualizações da Policia Civil

A reportagem do Jornal A Semana entrou em contato com o delegado responsável pelo caso, Edimar Machado. Segundo ele, as investigações seguem em andamento e foi solicitada a prorrogação no prazo da entrega do inquérito. Essa prorrogação – dez dias – foi solicitada porque a Policia Civil ainda aguarda o laudo da necropsia antes de concluir as investigações.

Relembre o caso

No sábado, 02/10, uma viatura da Brigada Militar foi despachada para averiguar uma briga em frente ao Shopping das Carnes. Ao chegar no local encontrou Wagner inconsciente no chão e com sangue vertendo pelo ouvido esquerdo. Um dos supostos agressores estava com as mãos ensanguentadas e visivelmente consternado, enquanto o outro suspeito estava embriagado dentro do estabelecimento.

Esse segundo suposto agressor foi identificado como gerente do comércio, mas estava de folga no dia do ocorrido. Segundo relatos que constam na ocorrência a discussão teria começado por uma reclamação de Wagner sobre o preço da carne e, ao ser agredido com dois socos, teria caído e perdido a consciência. A vítima também teria tomado um chute na cabeça enquanto estava desacordado.

Foi dada voz de prisão para os acusados que foram algemados conforme súmula vinculante nº 11 do STF para segurança própria, da guarnição e de terceiros, visto o seu estado emocional alterado. A SAMU foi solicitada no local e compareceu para prestar os primeiros atendimentos, tendo posteriormente conduzido a vítima ao hospital em estado grave. Wagner acabou não sobrevivendo e veio a óbito no domingo, 03/10.

COMENTÁRIOS ( )