Sbado, 04 de Dezembro de 2021 |

Régua da CORSAN registra queda de quase dois metros no nível do Rio Gravataí desde setembro

No entanto, CORSAN prevê que não haverá crise hídrica ou racionamento durante os meses de temperaturas altas e escassez de chuvas

Por Redação em 19 de Novembro de 2021

"Régua está instalada nas margens do Rio Gravataí" (Foto: Arquivo A Semana)


No dia 21 de dezembro inicia o verão, a estação mais quente do ano e, como as altas temperaturas já estão presentes há algumas semanas, há a preocupação sobre o nível que o Rio Gravataí se encontra e o planejamento que a Companhia Riograndense de Saneamento (CORSAN), está traçando para que não falte água nos meses futuros. Afinal, Alvorada é abastecida com a água captada pela Estatal e o Rio já registra uma queda significativa desde o meio de setembro, conforme informações do Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio Gravatahy.

Nível do Gravataí

Conforme dados divulgados e disponibilizados pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura (SEMAI), é possível verificar que o nível do Rio Gravataí registrou uma queda de 1,5 metros se compararmos estes números nos dias 10 do mês de setembro, outubro e novembro quando o maior nível medido foi de 3,25m, 2,98m e 1,75m.

De acordo com o gerente da CORSAN, Claudiomiro Ferreira, atualmente o manancial está semelhante ao mesmo período do ano passado. “O fenômeno La Ninã indica que teremos um período de seca. Em 2020 o mesmo fenômeno estava atuando, mas tivemos chuvas em janeiro o que manteve o nível do manancial. Como nossa previsão é que este ano será semelhante ao ano anterior, acreditamos que não teremos crise hídrica ou racionamento. Cabe salientar que dependemos de chuvas previstas para janeiro de 2022”, avalia.

No entanto, caso haja alguma crise hídrica ou racionamento de água, Ferreira explicou que caminhões pipa abastecerão locais como escolas e hospitais. “Além disso, a CORSAN está realizando estudos de batimetria no Rio Gravataí. Estes estudos visam verificar se o leito possui locais mais profundos onde poderíamos instalar um pré-recalque ou uma balsa para envio de água bruta ao poço de captação”, explica.

Proposta aprovada

Na terça-feira, 09/11, foi aprovada a proposta de acordo para captações de água durante o período de verão, entre dezembro de 2021 e abril de 2022, diante da perspectiva de mais um ano de escassez na região. Com esta aprovação, numa reunião online, a proposta agora segue para o Departamento de Recursos Hídricos da SEMAI para que seja publicada como uma resolução e tenha efeito de lei na bacia do Gravataí. A decisão revogou a Portaria 38 da Sema, de março de 2020.

Durante a reunião, o modelo apresentado pela presidência do Comitê foi acolhido, mas com o detalhamento dos períodos de rodízio em casos de nível de alerta e crítico marcados pelas réguas das estações de captação de Alvorada e Gravataí. Assim, ficou definido que, caso a marcação atinja menos de 1,60m em Alvorada ou menos de 80cm em Gravataí, seja considerada condição de Alerta no Rio Gravataí, com a determinação de captação intermitente para o setor agrícola. Com isso, a irrigação deve ser suspensa por dois dias e seguida de três dias de captação. O rodízio permanecerá até que o nível se eleve acima da marca de alerta.

Na condição Crítica, apontada como o nível abaixo de 1,30m em Alvorada ou 50cm em Gravataí, todas as captações que não forem destinadas ao abastecimento humano – ou seja, agricultura e indústria – devem ser suspensas pelo menos até a saída do nível crítico. E nesta situação, a CORSAN compromete-se a exigir por notificação que os seus usuários não residenciais (comércio e indústria) sejam submetidos a racionamento.

COMENTÁRIOS ( )