Quinta-Feira, 19 de Maio de 2022 |

Maior produção de flores comestíveis da região metropolitana é de Alvorada

Segundo a EMATER, dois grupos de famílias que produzem o produto no município

Por Redação em 29 de Abril de 2022

"Propriedade de Wisniewski fica localizada no Bairro Maringá" (Foto: Divulgação)


Os moradores de Alvorada talvez ainda não conhecem, mas sim, por aqui existem produtores rurais que tem feito um belo trabalho, chamando atenção de compradores de outras cidades, estados, e até países. A família dos agricultores Paulo Ricardo Wisniewski e Vanessa Santos já cultivou verduras, trabalhou com produtos para a alta gastronomia, e há dez anos plantam e vendem flores comestíveis na cidade.

A família desenvolve um projeto de agricultura familiar em uma propriedade de três hectares. O casal de agricultores recebe orientação técnica e social da Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência Técnica e Extensão Rural (EMATER). O trabalho é feito com o apoio da Secretaria do Meio Ambiente (SMAM), que atua no licenciamento e na fiscalização ambiental.

Em entrevista, Wisniewski conta que a ideia de plantar flores comestíveis surgiu devido a demanda que surgiu e hoje ele considera isso um sucesso. Tanto é que antes ele trabalhava com verduras e hoje seu foco são as ervas, flores e brotos verdes. “Nosso público com mais consumo ainda são restaurantes e pessoal de eventos. Agora está aumentando a procura pra fazer biscoitos”, explica o agricultor.

Para o alvoradense, mesmo com a demanda que surgia, ele não acreditava que as flores fariam tanto sucesso – ao ponto de se tornar o carro-chefe. Contudo, o agricultor explica que esse é um negócio que sofre o impacto das condições climáticas e ele precisou se adaptar. Hoje em dia, as flores que mais saem são, no verão, a flor de feijão azul; e, no inverno, há com mais procura é o amor perfeito.

O que produzem é distribuído em restaurantes e confeitarias – por meio da CEASA –, além disso, a venda de seus produtos é realizada no Mercado Público e em casas de religião na região metropolitana. Hoje são mais de 50 tipos de plantas produzidas pela família, como as flores comestíveis especiais, a flor do feijão borboleta azul e manjericões gourmet como o canela e o roxo.

Além disso, o alvoradense conta que suas flores também pode ser adquiridas diretamente pelas redes sociais da empresa – Paulinho Ervas e Flores. Para isso, ele explica como elas são utilizadas nas refeições. “Se enfeita os pratos. Algumas combinam com sorvete e outras com pratos quentes. Por ser um produto da alta gastronomia, acredito que sempre teremos saída”, encerra Wisniewski.

COMENTÁRIOS ( )