Sexta-Feira, 01 de Julho de 2022 |

Lideranças se unem e acionam Ministério Público para barrar modelo de pedágios na ERS-118

Encontro com a Procuradoria Geral do Estado aconteceu no início da semana

Por Redação em 20 de Maio de 2022

"A reunião ocorreu na PGE e contou com diversas lideranças das cidades impactadas" (Foto: Divulgação)


Mobilização de lideranças empresariais e políticas promoveu na manhã de segunda-feira, 16/05, reunião com a Procuradoria-Geral do Estado. A pauta era a revisão do Programa de Concessões de Rodovias, suspendendo os editais, não assinando contrato e evitando a instalação de praças de pedágios em trechos urbanos, como é o caso da ERS-118, no perímetro urbano de Gravataí, Alvorada e Viamão.

O grupo, que teve à frente o coordenador do Movimento RS-118 sem Pedágio, Darcy Zottis; foi recebido pelo procurador-geral Marcelo Lemos Dornelles e outros três membros do Ministério Público. Entre os presentes, estiveram representantes da FEDERASUL e FETRANSUL, o deputado federal Marcel Van Hattem (Novo) e os deputados estaduais Tiago Simon (MDB), Fábio Ostermann (Novo), Stela Farias (PT), Pepe Vargas (PT), Any Ortiz (Cidadania) e, de forma online, Giuseppe Riesgo (Novo).

Para Darcy Zottis o pedágio na RS 118 é uma tragédia e um fator que vai provocar muitos impactos em toda região metropolitana, mais notadamente nos municípios de Viamão, Gravataí, Cachoeirinha e Alvorada, como fuga de investimentos, desemprego e aumento dos custos logísticos e fretes. Ele acredita que isso pode acarretar em mais pobreza numa região que já é muito castigada.

Segundo o coordenador, a busca por essa reunião visa ter mais uma força em prol das mudanças deste projeto. “O MP defende os interesses sociais e individuais e zela pela correta aplicação das leis. Dá forma como está encaminhada essa questão de pedagiamento na 118, evidentemente o interesse da sociedade está sendo desrespeitado”, enfatiza Zottis.

A liderança afirma ainda que essa novela deve ter um fim antes do período eleitoral. “Esse pedágio vai inibir novos investimentos, expulsar empresas instaladas, aumentar o desemprego, reduzir a renda e a empregabilidade dos moradores de Alvorada e Viamão. O governo Leite/Ranolfo não vai querer passar para a história como o governo que criou o maior cinturão de pobreza e criminalidade”, conclui o coordenador.

Coordenador da Frente Parlamentar RS 118 sem Pedágio, o deputado Tiago Simon ressaltou e referendou documento entregue que pede a suspensão em definitivo dos leilões dos Blocos 1 e 2 e da assinatura do contrato do Bloco 3, em virtude dos prejuízos incalculáveis econômicos e sociais que podem acarretar à sociedade ao longo de três décadas.

O procurador-geral do Estado ouviu os argumentos das lideranças e ficou com o documento elaborado pela FETRANSUL – esse material faz um relato e aponta uma série de problemas no Programa de Concessões. Dornelles garantiu que será feita uma análise muito criteriosa dos argumentos e do documento entregue, com envolvimento de outros seus colegas de Ministério Público.

COMENTÁRIOS ( )