Sbado, 04 de Dezembro de 2021 |

Mudança do centro de vacinação contra a Covid-19 divide a opinião da comunidade

Enquanto existem alvoradenses que não veem diferença, outros acham o lugar menor

Por Redação em 19 de Novembro de 2021

"A decisão de sair do Ginásio e voltar para o PAM-8 dividiu a opinião dos alvoradenses" (Foto: Guilherme Wunder)


Desde o início dessa semana a campanha de imunização contra a Covid-19 está em novo endereço. Ao invés do Ginásio Tancredo Neves, a vacinação está sendo feita no prédio anexo ao PAM-8. A mudança foi justificada pela Secretaria de Saúde (SMS) baseada na diminuição do movimento e na temperatura do antigo local. Contudo, a decisão vem dividindo a opinião da população.

O parecer da comunidade

Para Carlos da Silva, a mudança não foi boa. Além de ter ficado mais longe, houve ruídos na comunicação que acabaram prejudicando o alvoradense. que buscava a terceira dose. “Achei muito ruim. Eu moro na Salomé e era mais perto no Ginásio. Sem falar que eu fui ao Podalírio e eles não me atenderam e disseram que lá era só para os alunos”, confessa o aposentado.

Já Ângela Maria dos Santos também veio tomar a segunda dose e afirma que não viu diferença entre os dois locais e que os empecilhos não passam pela SMS. “Eu vim tomar a terceira dose hoje e as outras eu tinha tomado no Ginásio. Infelizmente o povo não colabora e está a mesma coisa. A gente encara fila e tem que ficar esperando, mas hoje estava bem rápido. Eu achei tranquilo”, salienta.

Contudo, Maria Eduarda Leiol, 18 anos, veio tomar a segunda dose e afirma que, se pudesse escolher, não teria se vacinado no atual local. “Hoje eu vim tomar a segunda dose. Eu preferia no Ginásio. Lá era um lugar mais amplo e mais organizado. Aqui está tudo atrapalhado, amontoado nos corredores e eu acho isso ruim. Se pudesse escolher eu teria me vacinado de novo no Ginásio”, finaliza a adolescente.

Dados da semana

O Governo do Estado divulgou na tarde de quinta-feira, 11/11, o seu mais recente boletim epidemiológico da pandemia do coronavírus. Assim é possível averiguar que Alvorada está com 23.156 casos confirmados desde a primeira quinzena de março, quando foi confirmado o primeiro paciente alvoradense. Além disso, já são 818 óbitos causados pela doença.

Nessa semana foram confirmados mais 39 casos. Isso é mais do que na última semana, quando foram 33 pacientes contaminados. Já sobre os óbitos, desta vez houve o registro de três novas mortes no município. Os dados de pacientes recuperados, isolados e hospitalizados foi divulgado pela Prefeitura no início da semana, através de nota nas redes sociais.

No boletim epidemiológico municipal de terça-feira, 16/11, já havia 23.148 casos confirmados. Desses, 22.205 já estão reestabelecidos. Ainda existem 60 alvoradenses em isolamento domiciliar e 67 hospitalizados. Na terça-feira, por volta das 14h – quando foi divulgado o ofício – já eram 816 mortes confirmadas pela pandemia do coronavírus dentro do município.

Campanha de imunização

Segundo último boletim do Estado, Alvorada já recebeu 300.534 mil doses de vacinas – entre primeira dose, segunda dose e dose única. Dessas doses, 89.2% já foram aplicadas na população. Com isso, 113.837 pessoas já estão com o ciclo de imunização concluído (duas doses ou dose única). Além disso, outras 34.173 alvoradenses já receberam pelo menos a primeira dose da vacina.

Com a chegada dos menores de idade, a Secretaria de Saúde (SMS) vacinou na quinta-feira, 18/11, os jovens de 12 anos completos ou mais. Além disso, estão recebendo a terceira dose os idosos com mais de 60 anos que tomaram a primeira vacina antes de 18 de junho. As aplicações de segunda dose de Pfizer, Coronavac e Oxford seguem sendo aplicadas. A programação de sexta-feira, 19/11, não foi divulgada.

Em live nesta semana, a infectologista Karin Rauber falou sobre a diminuição do intervalo para a dose de reforço. “A redução do tempo entre a segunda dose e a dose de reforço. A gente estava fazendo com um intervalo de seis meses após a segunda dose. Agora nós vamos diminuir esse período para cinco meses. Além disso, será liberada uma dose de reforço para todos os maiores de 18 anos”, afirma a servidora.

Já podem ser imunizados com a terceira dose os imunodeprimidos que tomaram a segunda dose até o dia 20 de outubro. Podem procurar o serviço os quem tem imunodeficiência primária grave, faz tratamento de quimioterapia, transplantados de órgão, portador de HIV/AIDS, uso de corticoides, uso de drogas da resposta imune, auto inflamatórios, pacientes em hemodiálise e com doenças inflamatórias crônicas.

COMENTÁRIOS ( )