Quarta-Feira, 23 de Junho de 2021 |

Secretária Neusa Abruzzi apresenta ressalvas ao novo modelo de distanciamento controlado

Segundo ela, nesse primeiro momento se acredita que o formato das bandeiras era mais efetivo

Por Redação em 21 de Maio de 2021

"Apesar de preferir o sistema anterior, Neusa espera que o atual seja viável e apresente bons números" (Foto: Eduardo Porto)


Nessa semana, Alvorada apresentou um dos menores índices de contaminados (263 casos) e um dos maiores índices de óbitos (24 mortes) em sete dias. Em meio ao 14º mês da pandemia do coronavírus, houve uma mudança no modelo de distanciamento controlado – antes era por bandeiras e agora o formato é outro – e a secretária de Saúde (SMS), Neusa Abruzzi, fez uma avaliação deste novo modelo.

Dados da semana

O Governo do Estado divulgou na tarde de quinta-feira, 20/05, o seu mais recente boletim epidemiológico da pandemia do coronavírus. Assim é possível averiguar que Alvorada está com 18.462 casos confirmados desde a primeira quinzena de março, quando foi confirmado o primeiro paciente alvoradense. Além disso, já são 683 óbitos causados pela doença.

Nessa semana foram confirmados mais 237 casos. Isso é menos do que na última semana, quando foram 636 pacientes contaminados. Contudo, o número de óbitos subiu. Nessa semana foram confirmadas 24 vítimas da pandemia. Os dados de pacientes recuperados, isolados e hospitalizados foi divulgado pela Prefeitura no início da semana passada, através de nota nas redes sociais.

No boletim epidemiológico municipal de terça-feira, 18/05, já havia 18.563 casos confirmados. Desses, 17.567 já estão reestabelecidos. Ainda existem 225 alvoradenses em isolamento domiciliar e 105 hospitalizados. Na terça-feira, por volta das 08h – quando foi divulgado o ofício – já eram 666 mortes confirmadas pela pandemia do coronavírus dentro do município.

Distanciamento controlado

Depois de um ano de enfrentamento à pandemia seguindo o modelo do Distanciamento Controlado, o Estado apresentou o novo sistema, batizado de Sistema 3As de Monitoramento. Em vez de diferentes níveis de risco, representados por bandeiras e regras mais restritivas conforme a gravidade da situação, a nova ferramenta mantém critérios sanitários, mas busca simplificar o monitoramento e os protocolos.

Em número menor de segmentação, haverá protocolos obrigatórios a serem seguidos pelas atividades econômicas, como uso de máscara, higiene das mãos e distanciamento mínimo, mas, com uma maior participação das 21 regiões Covid e dos municípios na definição, a grande parte dos protocolos é variável, cabendo a cada região ajustar suas regras no nível local.

Uma das premissas, a simplificação de protocolos, envolve o agrupamento de atividades em 42 grupos, separados por nível de risco – quanto maior o risco, maior o nível de rigidez. No modelo anterior, havia previsão de protocolos para 143 atividades. O governo seguirá acompanhando os indicadores diariamente e, a qualquer momento, poderá tomar uma das três medidas do sistema: Aviso, Alerta e Ação.

Contudo, em entrevista, a secretária da SMS não viu com bons olhos essas mudanças. “Ficou mais para os municípios, mas o formato que o Estado avaliará me preocupa. O sistema anterior parecia melhor. Por que eu fico preocupada? Essas mudanças que os municípios vão ter que fazer sem ter o controle pleno, assim como nós, que dependemos de Porto Alegre, me preocupa bastante”, finaliza Neusa.

COMENTÁRIOS ( )