Sbado, 04 de Dezembro de 2021 |

Editorial

Porque agora?

Por Redação em 12 de Novembro de 2021


Essa é a pergunta que muitos se fazem ao debater o retorno das aulas no modelo presencial e obrigatório faltando menos de dois meses para o final do ano letivo. Era necessária essa retomada? Tem quem diga que sim, mas também existem os alvoradenses que não concordam com esse retorno. A única certeza que temos é que a polêmica se instaurou.

Sabemos que uma parcela significativa dos pais ainda não confia na segurança das instituições ensino e seguiam no ensino remoto enquanto essa opção existia. Contudo, o Estado e a Prefeitura optaram por essa retomada alegando o déficit na educação e o controle da pandemia. Argumentos plausíveis, mas que levantam os questionamentos sobre o momento.

Será que em pouco mais de um mês de aula presencial e depois voltarmos as férias de verão essa defasagem será recuperada? Obviamente que não. Muitos pais alegam que pode haver questões políticas envolvendo esse retorno na reta final, mas nenhum político confirmaria isso. Enquanto isso os pais e alunos ficam receosos sobre os próximos passos.

Também existe o outro lado: porque não retornaram antes? Os protocolos seguem os mesmos – até mais flexíveis em alguns casos – e outros eventos que podem ser vistos como não prioritários já foram retomados, mas a educação seguia nesse modelo. Se os órgãos educacionais acreditam que era de suma importância a retomada, porque não fazer isso antes assim como em outros países.

Vários debates estão sendo levantados, mas boa parte da população não entende os motivos de ter se escolhido o “agora” para esta retomada. A opção mais saudável para todos, já que se esperou até este momento, seria a retomada apenas em 2022. Assim os estudantes fariam todo o ano letivo de forma natural e não seria necessária essa correria para pouco mais de um mês de estudos.

É claro que todos os passos dados quando se trata da pandemia são passos no escuro. Não tem como saber quais serão os reflexos disso – principalmente negativos. Contudo, neste caso, já pode-se prever um desgaste desnecessário na reta final do ano letivo, algo que muitos não esperavam e que agora precisam correr atrás para colocar em prática em suas comunidades.

COMENTÁRIOS ()