Quinta-Feira, 26 de Maio de 2022 |

Editorial

Todos precisam se conscientizar

Por Redação em 11 de Fevereiro de 2022


Não tem quem não tenha passado pelas redes sociais nesta semana e não tenha visto reclamações sobre falta de água ou ainda sobre sua coloração e odor. Infelizmente, notícias como essa acabam se tornando cada vez mais comum nos períodos de forte estiagem. As secas também estão sendo recorrentes e isso faz com que um sinal de alerta seja acesso em nossas mentes.

Existem regiões do país aonde o racionamento de água é uma realidade cotidiana. No Rio Grande do Sul, isso não é tão comum. Contudo, parece que esse cenário está mudando – ou caminhando para isso. Chuvas escassas – e quando chove é temporal – acabam prejudicando o Rio Gravataí e o abastecimento de água. Tanto é que essa semana houve registro de falta em alguns bairros.

A CORSAN tem alternativas para suprir a demanda. É possível pegar de regiões diferentes ou ainda bombear do Arroio das Garças. Contudo, isso faz com que a água precise de mais tratamento e isso fica perceptível pelo odor e coloração. A CORSAN afirma que esse tratamento não oferece riscos a saúde, mas na prática ninguém se arrisca em utilizar a água nestas condições.

Felizmente, Alvorada ainda não passa por uma situação de racionamento, mas é necessário cuidar para que isso não se torne realidade. A própria CORSAN faz campanhas de conscientização do uso da água e orienta sobre lavar carros e calçadas nesse período do ano. Contudo, para que isso tenha efeito, todos precisam fazer a sua parte e mudar seus hábitos.

O problema é que nem os poderes constituídos colaboram 100%. Muitos moradores, quando questionados sobre o uso consciente, citam a Prefeitura. Isso porque é perceptível para quem passa na rua que existe um uso excessivo dos irrigadores nos canteiros. A CORSAN também falha ao cobrar mudanças e deixar serviços em aberto com moradores reclamando de vazamento de água.

Muitas vezes, as pessoas só debatem os problemas ambientais quando não há mais tempo para reverter o cenário. Isso acontece em casos de extinção por exemplo. Contudo, ao que tudo indica, no caso da água ainda é possível mudar hábitos e reverter esse cenário. Só que, para isso, todos têm que ter a consciência de que é preciso mudar. Cada um fazendo a sua parte e sem culpar os outros é o melhor caminho sempre.

COMENTÁRIOS ()