Sbado, 22 de Janeiro de 2022 |

Opinião

Eleições escolares

Por Redação em 08 de Novembro de 2013


Uma comissão eleitoral de uma escola criou uma cláusula que não permitia o apoio de políticos eleitos (vereadores, prefeitos, deputados) durante a campanha de diretores das escolas.
Isso seria o maior avanço democrático, pois o papel de um político eleito não é fazer campanha para diretores de escolas, isso é um pensamento da direita. A cidade tem outras necessidades onde esse político tinha que se envolver, deixando que a escola e a comunidade realizassem uma campanha limpa. Não pagamos impostos para sustentar salários de um vereador que ganhar R$ 9 mil por mês, para ele ficar quatro anos fazendo campanha.
Criar um foco de um político eleito apoiando um candidato de chapa nas escolas, seria o mesmo que fazer a campanha antecipada deste mesmo político. Não pode ter brindes durante uma campanha eleitoral, por exemplo, mas depois de eleito ele pode quase tudo.
Esse formato tira a legitimidade da comunidade escolar, pois perde o debate e cria uma dúvida na comunidade escolar, misturando partidos e eleição escolar. Toda vez que tiver uma eleição de associação de bairro, clube de mães, direção de escola, sindicato... qualquer partido poderá ter seus candidatos no terceiro setor. Se isso é democracia, é a mais pura ditadura. Pois cria financiamentos de políticos eleitos com seus apoiadores nas comunidades.
Porque querem misturar tudo sempre? Lugar de político eleito não é em marcador de paginas de livros.
Seria o mesmo caso da atual Oposição remunerada no poder, onde quase tudo tem um fim próprio, ocupar um espaço e resto que se exploda.
Olha, cada vez mais vejo um retrocesso na atual esquerda eleita pós-ditadura.
Esquerda Volver, um abraço a todos.

Dudu Toledo
Artista e Ativista cultural

COMENTÁRIOS ()