Sbado, 22 de Janeiro de 2022 |

Opinião

Luta de classes

Por Redação em 10 de Abril de 2015


Todos os deputados federais do PT votaram contra o PL 4330, inclusive o próprio partido tem, sistematicamente, combatido o projeto de lei das terceirizações, sob o argumento de que as terceirizações precarizam as relações de trabalho.
Sim, é verdade, o PL 4330, que tramita no Congresso desde 2004, é um verdadeiro atentado à organização do trabalho no país e, principalmente, um ataque sorrateiro ao princípio constitucional do concurso público.
Na contra-mão do que defende seu partido, o Prefeito Serginho vem preterindo o concurso público, terceirizando tudo o que pode: da coleta de lixo à manutenção da iluminação pública, passando pelo serviço de portaria das escolas e pelo patrolamento de vias, uma onda ao desmonte do serviço púbico.
Afinal, o que o Prefeito Serginho ainda faz no PT? Até quando o partido vai permitir que o Prefeito Serginho rasgue as bandeiras históricas do partido e macule o nome da sigla na cidade?
E os trabalhistas? 73% dos Deputados Federais do PTB e 72% do Deputados Federais do PDT - partidos que carregam o trabalhismo no nome - votaram em favor do empresariado e contra os trabalhadores. Lamentável!
Já a direita programática, fez bem a lição de casa. A bancada gaúcha do PP-Afonso Hamm, Jerônimo Goergen, José Otávio Germano, Luis Carlos Heinze, Renato Molling - investigada pela Operação Lava Jato, por exemplo, votou favorável ao PL 4330, projeto de lei da terceirização total e indiscriminada.
Também votaram contra os trabalhadores, os seguintes deputados gaúchos: Alceu Moreira (PMDB), Carlos Gomes (PRB) Covatti Filho (PP), Danrlei de Deus Hinterholz (PSD), Giovani Cherini (PDT), Mauro Pereira (PMDB), Nelson Marchezan Junior (PSDB), Onyx Lorenzoni (DEM), Osmar Terra (PMDB) e Sérgio Moraes (PTB).
E não se enganem! Se a redução da maioridade penal for à votação, o resultado será bem parecido com a redução dos direitos trabalhistas. Os deputados que votaram contra os trabalhadores também votarão contra os adolescentes. É uma questão de luta de classes. E ainda há quem diga que não existe mais esquerda e direita.
Dudu Corrêa - Ativista político

COMENTÁRIOS ()