Quinta-Feira, 23 de Setembro de 2021 |

SIMA

Radar da COVID-19: SIMA lança formulário em seu site para que profi ssionais e responsáveis pelos estudantes avaliem as condições de segurança sanitária das instituições de ensino e realizem denúncias

Por Redação em 28 de Maio de 2021


A preocupação com um aumento de casos devido ao retorno escolar e o relaxamento das medidas de distanciamento cresce. De olho na aplicação dos protocolos de segurança sanitária, o SIMA busca fiscalizar o retorno do trabalho presencial nas escolas municipais. O Sindicato lançou em seu site (www.sima-alvorada.com.br) uma plataforma para mapear as ocorrências e identificar problemas no cumprimento dos protocolos estabelecidos pelos órgãos de saúde e de educação.

Com a retomada forçada das aulas presenciais, protocolos desatualizados e vacinação ainda incompleta dos profissionais, surtos de Covid-19 nas escolas das redes estadual e privada têm se multiplicado. Uma situação que preocupa os representantes do SIMA é a falta de uma Portaria da Secretária Municipal de Educação que indique quais são os responsáveis pelo cumprimento dos protocolos de segurança dentro de cada escola. De acordo com a Portaria Conjunta nº1 da SES/Seduc, as escolas ou instituições de ensino só podem funcionar se possuírem um Centro de Operações de Emergências e um Plano de Contingência aprovado pelos órgãos competentes.

Em Alvorada, além de colocar em risco as vidas dos trabalhadores, o Governo Municipal falta com a transparência com relação a organização e as ações dos Centros de Operação de Emergências. E tivemos outro “atropelo” na condução da educação: Na última semana, os profissionais de educação foram vacinados em cima da hora, com convocação pelo “whatsapp”, e o retorno ao trabalho presencial ocorreu sem que o Vale-Transporte fosse devidamente depositado. Resultado, profissionais da educação infantil tiveram que arcar com os custos da condução, já que o benefício havia sido suspenso pelo Governo Municipal.

O número de escolas com atividades suspensas devido a surtos internos aumenta, mesmo com protocolos rígidos. Os riscos de contágio dentro das escolas são de conhecimento público, uma vez que, para retornem às aulas presenciais o estudante precisa de uma autorização em que o responsável assume o risco de uma eventual contaminação. Fato que tem feito muitos pais a se negarem a enviarem seus filhos à escola neste momento. Além disto, são inúmeros os casos de profissionais que contraíram ou faleceram em decorrência de Covid-19 após o retorno escolar.

Não bastasse a baixa segurança, uma nova variante da Covid-19 oriunda da Índia começa a se espalhar após mais um episódio de falha no combate ao vírus. Assim, o país caminha para o início da “terceira onda” da doença, com aumentos de casos confirmados e de lotação de UTIs. Especialistas como Pedro Hallal, epidemiologista e ex-Reitor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), já identificam o começo da nova alta do contágio após poucos meses de estabilidade e de um ritmo de vacinação ainda lento.

A plataforma Radar da Covid-19 ficará disponível no site do SIMA e é uma forma de defender a vida de profissionais, alunos e famílias. O cumprimento dos protocolos de segurança sanitária da forma correta é o principal aliado para garantir um ambiente escolar livre da Covid-19. Os dados dos participantes não serão divulgados e as informações de contato serão utilizadas apenas para de confirmação do relato.

COMENTÁRIOS ()